Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Após a 6ª Promotoria de Justiça da Comarca de Rio do Sul instaurar um inquérito civil para apurar a demora na instalação de novos leitos de UTI para pacientes com coronavírus, a  Fundação de Saúde do Alto Vale do Itajaí, gestora do Hospital Regional, alegou que a nova estrutura ainda não entrou em funcionamento pelo prazo de  chegada dos equipamentos devido a grande demanda mundial.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (16) o assessor jurídico do Hospital Regional, Marcos Sávio Zanella, adiantou que desde o dia 29 de abril, quando a Prefeitura de Rio do Sul repassou R$ 1,5 milhão, recursos oriundos do Ministério da Saúde, todos os procedimentos de compras foram realizados, mas com a demanda mundial, os fornecedores ainda não entregaram as camas, monitores e outros itens adquiridos. “É uma situação inédita e os fornecedores estipulam prazo de até 90 dias para fazer a entrega”.

Ele informou ainda que no plano de trabalho apresentado ao Município, e que detalha todos os itens que seriam adquiridos, o HRAV já havia informado que o prazo para a instalação dos novos leitos era o final de julho. “Isso quer dizer que ainda estamos dentro do prazo”, disse.

Todos os documentos já foram reunidos e serão apresentados ao Ministério Público nesta –sexta-feira (17).

O diretor-técnico, médico Marcelo Vier Gambetta, destacou que enquanto a nova UTI não é instalada o Hospital Regional utiliza o espaço da atual que conta com 20 leitos e reforçou que a unidade já havia informado em março, sobre os prazos para abertura de novos leitos. “Neste momento estamos atendendo os pacientes na UTI geral. Nesta quinta-feira temos quatro pacientes com quadro de COVID confirmado e outro suspeito. Já lá no dia 26 de março, na primeira manifestação junto ao poder público, o hospital alegou que havia reservado espaço físico para abertura dos leitos, porém que necessitava dos equipamentos”, esclarece.

A expectativa é que ainda nesta sexta-feira (17) cheguem as 20 novas camas, de modelo especial e faltam os monitores que são importados. “Enquanto não chegam vamos aproveitar os usados, devidamente recuperados como forma de agilizar. Estamos então com 10 monitores, aguardando a entrega dos respiradores. Os funcionários estão contratados e a escala médica pronta e tão logo os respiradores cheguem a gente já estaria em condições de por a unidade em funcionamento.”

A Secretaria de Estado da Saúde anunciou que deve acelerar o envio de 10 respiradores. Gambetta revelou que depois de tudo pronto ainda existe a necessidade da nova UTI ser credenciada pelo SUS. “Tem ainda a questão da medicação para esses pacientes que é uma preocupação também do país inteiro pelo desabastecimento” complementou o diretor.

Amavi pede urgência na implantação de leitos

O presidente da Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi), prefeito Joel Longen, a coordenadora da Comissão Intergestores Regional (CIR), secretária de saúde de Imbuia, Cláudia Ferreira participaram na quarta-feira (15) de uma audiência com o secretário Adjunto de Estado da Saúde e coordenador do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES), Aldo Baptista Neto para reivindicar a urgente ampliação dos leitos de UTI.

De acordo com a coordenadora da CIR, Cláudia Ferreira, foram apresentados relatórios que demonstram que no Alto Vale, apenas quatro leitos de UTI estão reservados para pacientes de COVID-19. O pedido é para que sejam implantados urgentemente mais 34 leitos sendo 20 no Hospital Regional Alto Vale, quatro no Hospital Bom Jesus de Ituporanga e 10 no Hospital Dr Waldomiro Colautti, em Ibirama.