Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Trabalho, união, dedicação e fé. Essas são algumas das palavras que definem o Grupo Teatral Consolata de Rio do Oeste, que mesmo com todas as restrições impostas pelas autoridades de saúde durante a pandemia encontrou uma forma de levar uma mensagem de fé para as pessoas, com segurança. O elenco que faz a encenação da Paixão e Morte de Jesus Cristo há mais de 30 anos optou por gravar as cenas para disponibilizar nessa sexta-feira santa (02) em seu canal do You Tube, a partir das 19h.

O grupo de voluntários se formou na década de 1990 e desde lá apresentam várias peças religiosas todos os anos. No ano passado, pela primeira vez eles precisaram interromper os trabalhos por conta da pandemia, mas este ano encontram na tecnologia uma forma de levar inovação para o teatro.

Monique Sara Guber é uma das voluntárias, ela conta que para fazer essa adaptação das cenas para vídeo, o grupo precisou intensificar ensaios e investimentos. “Para este ano nós começamos a pensar em como poderia ser feita a encenação e resolvemos gravar toda a Via Sacra para ser apresentada na Sexta-Feira Santa e poder transmitir a mensagem que nós sempre transmitíamos em todos os anos. As nossas gravações começaram a ser feitas de forma interna, à noite e precisamos fazer investimentos em tecido verde para usar para gravar Chroma key e uma iluminação melhor também”, comenta.

A locação para a encenação nos outros anos era a rua central da cidade. Quase um quilômetro de interpretação, da Capela Santa Terezinha ao morro da igreja matriz. Para este ano, um dos únicos locais de gravação ao ar livre foi a Gruta do Tigre e para as filmagens as cenas foram feitas mais de uma vez. “Para gravar usamos o espaço do salão da igreja matriz. Adaptamos a marcação de cena para a gravação, formas de interação, algumas cenas tivemos que gravar mais de uma vez porque contávamos apenas com duas câmeras, então em alguns momentos pegávamos ângulos mais abertos, outros mais fechados em personagens específicos e fomos nos organizando”, explica.

Questionada sobre o tempo dedicado ao vídeo, Monique diz que foram mais de 20 horas de gravação e que depois ainda teve um longo trabalho de edição. “Deu trabalho ensaiar e gravar tudo no mesmo dia. Nós nos reuníamos para gravar à noite, das 19h, à 00h. Gravamos em partes. Foi muito exaustivo porque todos somos voluntários e todos trabalham durante a semana, mas muito prazeroso por ver a motivação, a ajuda entre o elenco”, avalia.

Monique ressalta que os participantes possuem um talento natural para as cenas e que apenas colocam em prática algumas técnicas em cena porque ela que já fez cursos na área repassa o conhecimento. “Nós convidamos pessoas que já faziam personagens nos outros anos e alguns assumiram personagens diferentes, mas não demandou muito ensaio e é incrível porque nós não fazemos aulas de teatro durante o ano ou outros processos de intensivo de exercícios de teatro. É interessante ver que as pessoas que participam têm um talento natural para o fazer artístico. Eu sou formada em artes visuais, faço os roteiros e como fiz cursos na área teatral dou aulas, todo o conhecimento vou trazendo para o grupo e vamos aperfeiçoando dentro do que vamos desenvolvendo”, esclarece.

Ao todo são mais de 150 voluntários, entre elenco e parte técnica, mas por conta das gravações, para não juntar muitas pessoas, o número de personagens e técnicos foi reduzido para cerca de 40. “A gente também não gravava com todos no mesmo dia porque determinadas cenas eram feitas com alguns personagens em específico e isso facilitou por conta da pandemia para a gente manter os cuidados e todos gravaram e graças a Deus ninguém pegou coronavírus no grupo durante todo o período. O que a gente planejou deu certo”, comenta.

Monique ainda agradece a disponibilidade dos voluntários e ressalta a importância de fortalecer a fé e a cultura. “Contamos com a colaboração das pessoas e esperamos que esse projeto seja passado adiante porque transmite uma mensagem muito bonita que é o que a gente está precisando, buscar cada vez mais a Deus, estar fortalecidos. Por mais que já tenhamos superado muitas ciosas, ainda não é o momento para viver como vivíamos antes. Estamos vivendo dentro de um novo normal, então isso também ajuda. A encenação passa a mensagem para fortalecer a fé de cada um de nós e para estar fortalecendo a questão da cultura que também foi muito prejudicada nessa pandemia, estamos levando a mensagem  cristã e valorizando a arte cênica na região sendo um dos poucos grupos que fazem essa encenação no Alto Vale. Para nós é importante saber que estamos conseguindo manter essa tradição”, avalia.

Monique também conta que todo o trabalho de filmagem e edição do projeto Paixão e Morte de Jesus Cristo foi feito também por um voluntário. “A pessoa que gravou também é voluntário e fez tudo e editou sem cobrar nada. A gente sabe que tudo isso é muito demorado, trabalhoso, sempre contamos com pessoas que se dedicam sem pedir nada em troca. É bom ver que em uma cidade pequena como a nossa nós conseguimos desenvolver um trabalho tão grandioso”, finaliza.

Para assistir ao vídeo que estará disponível a partir das 19 horas de hoje (02), é preciso acessar o canal do youtube do Grupo Teatral Consolata de Rio do Oeste.