Sem categoria
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Após aproximadamente uma semana de atendimento com a capacidade máxima de ocupação dos leitos de UTI covid, o Hospital Bom Jesus (HBJ) em Ituporanga recebeu nessa terça-feira (1) dois respiradores do Governo do Estado e conseguiu ainda o encaminhamento de cinco pacientes que aguardavam ventiladores para outros hospitais da região.

Segundo assessoria de imprensa, os dois respiradores que chegaram nessa terça-feira estão disponíveis para utilização na UTI geral e também na UTI covid. Ao todo, o Governo do Estado enviou para a unidade desde o início da pandemia, oito respiradores. Além disso, a instituição realizou uma campanha para doações e conseguiu adquirir outro.

Com o aumento no número de casos e ocupação total nos últimos dias, o HBJ solicitou também o encaminhamento para outras unidades hospitalares da região e conseguiu encaminhar desde segunda-feira (30) cinco pacientes que aguardavam por ventilador para os municípios de Ibirama, Rio do Sul, Timbó, Gaspar e Indaial.

De acordo com o médico responsável pelo Pronto Atendimento, Daniel Ribas, a situação em relação à ocupação dos leitos já era prevista desde o início da pandemia. Ele, que também foi nomeado como membro do Comitê de enfrentamento e gerenciamento de crise no município, disse que a situação foi anunciada e que não era uma forma de aterrorizar a população e sim de alertar para os cuidados, já que a instituição atende pessoas de vários municípios da região. “Nós já colocávamos que tínhamos apenas o Hospital Bom Jesus para uma região de mais de 80 mil habitantes como suporte de terapia intensiva e nessas últimas duas semanas estamos observando um aumento muito grande no número de casos. Nós já estávamos com cinco leitos de UTI covid com pacientes entubados, além de pacientes positivos para covid na UTI geral com os isolamentos improvisados que nós fizemos lá”, comenta.

O médico pede que as pessoas deem preferência ao atendimento nas unidades de saúde e que só procurem o hospital se for realmente necessário, pois há uma sobrecarga na instituição. “Nós deixamos bem claro, que procurem o hospital apenas em situação de gravidade. Todas as pessoas que procuram o serviço de saúde tem a sua demanda, mas algumas delas poderiam ser sanadas nas unidades básicas, onde o risco de contágio é menor. Nós vemos que a sociedade voltou às suas atividades normais, nós não somos contra isso, mas os cuidados devem ser tomados porque o vírus está com uma apresentação diferente e todos os dias nós estamos acompanhando notícias de óbitos e nós vemos isso com muita preocupação”, explica.

Outra situação colocada pelo médico é a questão do funcionamento de alguns estabelecimentos. “Alguns meses atrás nós colocamos no Comitê a discussão de limitar o funcionamento de horários de bares, alguns serviços. Temos pacientes vítimas de esfaqueamento, que são causas que poderiam ter sido evitadas, isso piora, sobrecarrega mais o serviço”, destaca. Daniel ainda fala sobre o atendimento na emergência que passou por lotação inclusive nos leitos de observação no último dia 30.

Até o fechamento da edição, cinco pacientes estavam internados na UTI de isolamento covid, três na UTI Geral, e seis pacientes na ala respiratória. O médico responsável pelo Pronto Atendimento afirma ainda que apenas uma sala de cirurgia está operante já que o ventilador do outro centro estaria sendo usado com um paciente.