Alto Vale
Foto: Divulgação

O homem de 33 anos que confessou ter matado a companheira, esquartejado e depois jogado partes do corpo em diversos locais da região foi condenado em júri popular a 16 anos e quatro meses de prisão pelo crime de feminicídio, por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima. Ele ainda pode recorrer da decisão, mas segundo o juiz Márcio Preis, deve permanecer preso.

 

O crime teria sido cometido no dia 20 de janeiro, mas só foi descoberto algum tempo depois porque o tronco da jovem acabou sendo encontrado em avançado estado de composição, por trabalhadores que faziam uma vistoria na área que segura os entulhos da Barragem Sul em Ituporanga, no dia 25 de janeiro.
Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu matou a namorada a marteladas na casa onde eles viviam após uma discussão motivada por ciúmes, que teria começado em uma festa e teve um final trágico.

 

Ainda de acordo com processo, uma semana depois do crime, o homem passou a morar com outra mulher e assumiu um comportamento frio e dissimulado. Inicialmente ele teria negado a autoria e afirmado até mesmo que nunca teria convivido com a mulher. Depois do mandado de prisão, ele confessou o crime detalhadamente.