Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Já dizia o escritor Manoel Carlos “O amor é pontual. Chega sempre na hora certa, seja a hora que for”. Essa frase clichê talvez seja uma boa descrição para quem acredita no amor. É o caso da dona Laurene Laurentina da Rosa, de 74 anos e José João Laurentino, de 80 anos. Eles se conheceram no Asilo São Vicente de Paula este ano e após alguns meses de namoro resolveram se casar. A instituição providenciou toda a festa e a cerimônia foi realizada há alguns dias.

Dona Laurene diz que viu em José um amigo e que o casamento está sendo algo muito importante na vida dela. Ela ainda comenta que os dias estão sendo de muito carinho.

“Me apaixonei pela primeira vez. Está sendo bom ter uma companhia, eu sempre fui muito sozinha, perdi meus pais e irmão e encontrei um companheiro com quem eu converso bastante, a gente brinca, ele é muito brincalhão me faz rir bastante e está muito bom. Estamos aproveitando bastante”, afirma.

Esta é a primeira vez que Laurene se casa, aos 74 anos. Já o noivo, José era viúvo. A administradora do asilo, Lurdes Claudino, explica que o casal decidiu que queria casar há meses, mas que para ter certeza de que seria algo sério a instituição acabou esperando um pouco para organizar a cerimônia.

“Eles vinham pedindo para se casar logo no início do namoro, mas fomos dando um tempo para ter certeza de que era algo sério. Uns três meses eles pediram para casar e morar juntos. Nós planejamos, falamos com o frei, marcamos para outubro e de outubro mudamos para novembro, adiamos para ter certeza de que era o que queriam. Chamamos a família a fizemos a festa”, conta.

“Maria Iracema, uma das moradoras daqui, tem 79 anos. Ela é pequeninha e por isso foi chamada para ser a dama de honra e levou as alianças. Para os idosos aqui do asilo a semana foi muito festiva e fez bem para eles mudarem o clima, o ambiente”, acrescenta.

Segundo Lurdes, dona Laurene chegou na instituição este ano, assim como José. Após algum tempo a idosa passou a despertar o interesse dos senhores que lá residem, mas só um conquistou seu coração. “Pela simpatia, ela passou a ser muito cortejada por aqui, mas foi o seu José que conseguiu ganhar o seu coração”, comenta.

O casamento foi todo planejado e o casal teve direito a bolo, alianças e presentes. “Arrumamos eles e conseguimos um terno bonito para ele e um vestido bonito para ela também. A igreja foi toda decorada. Os dois ganharam uma cama de casal e outro padrinho deu um colchão, o bolo foi doação, as alianças, e a festa foi feita com os padrinhos, idosos e voluntários. Aqui é normal, já fizemos mais casamentos, em 2021 já é o segundo”, conta.

Lurdes ainda destaca a importância de uma companhia nessa idade. “O casamento acaba sendo uma forma de eles terem uma companhia para conversar, desabafar, cumplicidade com alguém. Uma pessoa para dividirem o dia a dia, suas angústias e alegrias”, completa.