Cidade
Foto: Divulgação

 

Helena Marquardt

 

Em breve o campus do Instituto Federal Catarinense (IFC), de Rio do Sul, será contemplado com a instalação da maior usina fotovoltaica para a geração de energia solar no Alto Vale. Ao todo serão cerca de 600 metros quadradros em placas. O investimento é de aproximadamente R$ 700 mil e foi anunciado durante uma reunião do Colégio de Dirigentes (Codir).

 

A reitora, professora Sônia Regina de Souza Fernandes, explica que o campus de Rio do Sul foi escolhido entre os demais por ter uma das maiores contas de energia elétrica, são cerca R$ 800 mil gastos por ano. Outro motivo é que a instituição possui uma Unidade Tecnológica, onde a usina poderá ser usada para fomentar a abertura de novos cursos de qualificação, realização de pesquisas e ações de extensão na disseminação da tecnologia solar.

 

Os locais de implantação ainda serão definidos, mas a ideia é que se utilize telhados de edificações pré-existentes e seja criado um estacionamento com cobertura de placas fotovoltaicas nas proximidades do prédio central. Esse seria o maior estacionamento desse tipo em Santa Catarina.

 

Para o diretor geral, Ricardo Veiga, a notícia vem em boa hora e a previsão é de que as obras comecem no início de 2020. “O custo com energia elétrica representa 12% dos gastos de custeio do Campus, além disso já temos o curso de Engenharia Mecatrônica e potencial para fazer manutenção e ainda abrir novos cursos como o de instalação e manutenção de painéis de energia solar”, comentou.

 

Ele ressalta ainda que os recursos já foram empenhados e a expectativa é diminuir de 10% até 20% a conta de energia da sede. “Hoje temos mais de dois mil alunos e 300 são internos, ou seja moram na sede na Serra Canoas onde o gasto anual com energia é de R$600 mil, então a geração de energia vai possibilitar uma diminuição muito significativa”, completa.

 

Em Rio do Sul o IFC já conta também com outras iniciativas de utilização de energia solar. Um exemplo disso é a aplicação para bombeamento de água, no laboratório de Aquicultura, promovido pelo professor Cesar Ademar Hermes desde 2018.
Já em frente ao prédio central está em construção um quiosque com cobertura de placas fotovoltaicas.

 

O projeto é uma iniciativa trazida pelo professor Lauri João Marconatto em parceria com a empresa Weg e apoiada pelo Campus e teve investimento de aproximadamente R$ 3 mil.