Cidade
Foto: Divulgação

Cláudia Pletsch/DAV

Com o objetivo de devolver a beleza natural para cabelos afro, a Associação Cultural Anastácia da Raça Negra Ação Popular do Alto Vale do Itajaí (Acarnap) criou o projeto Prioridade Black, que patrocinou a capacitação de uma profissional para atuar em Rio do Sul no tratamento de cabelos de homens e mulheres afrodescendentes. A ideia surgiu da crescente demanda por profissionais especializados na área e pela dificuldade de encontrar cabeleireiros que atuem com tratamento, corte e transição capilar na região.

Vanessa de Souza é cabeleireira há oito anos e é afrodescendente, mas mesmo assim conta que ainda não tinha especialização na área. Como atua no ramo, ela comenta que sabe bem quais eram os tratamentos indicados para cabelos afro e que muitas vezes eram baseados em alisamentos, químicas e corte. Quando a profissional recebeu o convite da Acarnap para se especializar no tratamento e embelezamento dos cabelos cacheados viu a oportunidade de ajudar centenas de mulheres que muitas vezes tem a autoestima abalada por não ter o cuidado adequado.

A cabeleireira explica que a especialização realizada no Instituto Embeleze de Jaraguá do Sul teve duração de quatro dias, com aulas de 15 horas diárias. As técnicas trabalhadas foram: redefinição de cachos, coloração e mechas, técnicas de corte para cabelos cacheados, volume, definição de cachos em transição onde a única solução indicada era corte e como tratar sem precisar cortar. “Muitas mulheres nos procuravam com a autoestima abalada, se sentindo feias por achar e ouvir que os cabelos delas não tinham jeito, que tinha que cortar, que tinha que tirar o volume ou alisar. Agora a transição capilar se popularizou e as mulheres afro começaram a perceber a beleza que o cabelo natural delas tem, mas a dificuldade de encontrar um profissional que saiba trabalhar com a transição e com esse tipo de cabelo ainda é grande. Agora é importante que as pessoas saibam que elas têm para quem recorrer, elas têm quem procurar”, comenta.

Um dos momentos mais importantes da vida da cabeleireira foi um dos atendimentos que realizou durante o curso. “Tinham muitas mulheres que se sentiam envergonhadas com o cabelo quando chegavam no curso para serem modelos. Um atendimento que me marcou foi de uma mulher que estava com a autoestima abalada, se sentindo triste e depois do tratamento ela chorou, viu que ficou com um cabelo lindo e natural, não precisou de corte e eu também chorei ao ver a felicidade dela”, conta.

A presidente da Acarnap, Deisiane de Souza Fontanive, explica que a Associação decidiu procurar um profissional disposto a atender nessa área devido a demanda na região, ela ressalta que são esses pequenos incentivos que fazem a diferença na vida das pessoas que buscam mais qualidade de vida. “Temos demandas até de casos particulares nossos mesmos, que somos mulheres negras e que temos grande dificuldade de encontrar um profissional que saiba trabalhar com cabelo afro e com pele negra. Já aconteceu de a Associação ter que fazer alguns atendimentos particulares em locais como o Lar da Menina e algumas escolas, pois se tem muita dificuldade de encontrar uma pessoa que saiba cortar ou trabalhar e tratar o cabelo afro, por isso a associação resolveu fomentar o projeto Prioridade Black”, garante.

Deisiane explica que não é somente uma questão estética, mas de valorização cultural. “Dentro desse projeto, a gente trabalha também a valorização da mulher, da autoestima e da cultura afro, pois muitas vezes a gente vai no cabeleireiro e ele quer alisar ou simplesmente raspar a cabeça para ficar mais fácil, e não, a gente procura o tratamento”, comenta.

Os atendimentos no município de Rio do Sul podem ser agendados através do telefone (54) 9.8133-5906.