Cidade

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Trabalhadores do Frigorífico Pamplona, de Rio do Sul, somavam pelo menos 17 dos 42 casos confirmados de Covid na capital do Alto Vale até esta terça-feira (19). Após a confirmação do número expressivo de doentes, a Secretaria de Estado da Saúde diz que acompanhará a situação diariamente e que caso o número de infectados aumente significativamente não está descartada a interdição da fábrica. A direção da empresa não quis se pronunciar e afirmou que divulgaria uma nota nesta quarta-feira (20).

A Prefeitura de Rio do Sul explica que conversou com a equipe de Recursos Humanos do frigorífico e também com a médica responsável pela unidade e que todas as medidas necessárias comunicadas pela Vigilância Epidemiológica de Rio do Sul estão sendo cumpridas rigorosamente pela empresa.

A prefeitura alegou ainda que também está acompanhando os doentes em domicílio, reforçando a necessidade de ficarem em casa com apoio da Polícia Militar.

Procurado para comentar a contaminação numdos maiores frigoríficos catarinenses, em nota o Governo do Estado informou que desde o início de maio está ocorrendo uma intensa fiscalização da Diretoria de Vigilância Sanitária em empresas do ramo da agroindústria em diversos municípios de Santa Catarina e que foram solicitadas algumas adequações, dentre elas a desinfecção total das fábricas.

A Secretaria de Estado da Saúde ressaltou ainda que a situação das unidades vem sendo acompanhada diariamente pelas equipes técnicas do estado. Uma das medidas já anunciadas para conter o crescimento de casos confirmados foi a recomendação aos municípios e regiões que reforcem os cuidados de prevenção ao contágio do novo coronavírus, a exemplo do que ocorreu na região Oeste.

Além disso, órgãos do Governo do Estado participaram de reunião da Comissão de Saúde da Alesc, juntamente com Ministério Público do Trabalho e representantes do setor, para discutir proposições referentes à pandemia.

Comunicado à imprensa

A Pamplona Alimentos S.A. reforça que a saúde e segurança de seus colaboradores, parceiros, visitantes e comunidade em que está inserida é tratada como prioridade pela Companhia. Por isso, desde o início da pandemia do Covid-19, a empresa vem tomando uma série de medidas para garantir que a manutenção de suas atividades, essenciais para o abastecimento do mercado de alimentos, aconteça de forma a preservar a integridade de todos os envolvidos nessa operação.
Para isso, um Comitê de Enfrentamento ao Covid-19 foi criado com o objetivo de orientar ações internas que visam prevenir, buscar soluções e garantir a segurança de todos os colaboradores e parceiros. Esse grupo acompanha atentamente as informações relacionadas à evolução da pandemia, tanto no Brasil quanto no mundo, assim como as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e dos Órgãos Públicos, a partir das quais são propostos novos protocolos internos para lidar com as especificidades deste cenário.
Seguindo procedimentos semelhantes aos que estão sendo adotados por outras empresas no Brasil e no mundo, desde 16 de março de 2020, a companhia tomou as seguintes providências, vigentes até o presente momento, visando o controle e a prevenção da doença:
• Afastamento, desde o dia 19 de março de 2020, de colaboradores pertencentes aos seguintes grupos de risco: mulheres grávidas, aprendizes, pessoas com mais de 60 anos ou que tenham alguma doença crônica com alto grau de risco;

• Priorização de trabalho em modalidade Home Office nas áreas administrativas e de apoio.

• Transporte exclusivo de ônibus para os funcionários, seguindo as normas de distanciamento, sanitização e as recomendações dos órgãos competentes.

• Profissionais que tenham retornado de viagem ao exterior foram direcionados para trabalhar em Home Office, com o médico da companhia à disposição para acompanhamento de condições clínicas;

• Colaboradores que tenham tido contato com pessoas infectadas com o coronavírus foram orientados a não ir à empresa, além de comunicar a área médica da companhia para monitoramento de cada caso;

• Reforço e intensificação da limpeza em todas as áreas comuns das plantas fabris e CDs comerciais, especialmente portarias, banheiros e vestiários;

• Medição de temperatura, sanitização de mãos e calçados de todos os colaboradores nas entradas fabris, além de disponibilização de álcool em gel em todos os departamentos, e entrega de máscaras individuais para todos os colaboradores, incluindo caminhoneiros, motoristas e terceiros, tornando obrigatório em toda empresa;

• Utilização obrigatória de máscara, touca ninja e protetor facial de acrílico (face shield) dentro da fábrica;

• Nos restaurantes, foram providenciadas demarcações de piso para distanciamento de 1,5 m, além de estabelecidos procedimentos referentes à sanitização das mãos ao entrar e sair, uso de luvas descartáveis antes de se servir dos alimentos. Além disso, talheres e guardanapos são embalados individualmente, instaladas divisórias de acrílico nas mesas, sanitização das mesas e cadeiras após utilização.

• Acompanhamento de todos os casos suspeitos, afastados e confirmados pelo setor de medicina do trabalho.

• Como medida de auxílio a comunidade a empresa também doou álcool em gel, água sanitária e sabão para os colaboradores levarem para suas casas ou familiares.

• Todas as informações quanto a saúde de colaboradores está sendo informadas aos órgãos de saúde do município.

Somos mais de 3.200 colaboradores empenhados em nossa operação que é considerada essencial para o fornecimento de alimentos para as famílias no Brasil e ao redor do mundo.

Pamplona Alimentos S.A.