Alto Vale
Foto: Arquivo DAV

Cláudia Pletsch/DAV

Depois de ter anunciado a abertura da licitação para dar início às obras de recuperação da pavimentação do acesso ao município de Mirim Doce, na rodovia SC-425 e entroncamento da BR-470 em direção a Pouso Redondo, a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (SIE) suspendeu o processo e agora não há prazo para que ele seja retomado. De acordo com a assessoria de imprensa da SIE o cancelamento é para que a obra possa passar por uma readequação orçamentária.

Na licitação agendada para o dia 17 de dezembro do último ano o Governo do Estado havia anunciado que o trecho de 7,7 quilômetros custaria cerca R$ 8, 9 milhões, mas agora não existe um prazo para que o processo seja retomado.

Depois de quase 10 anos buscando um olhar do Governo para a rodovia os moradores do município de Mirim Doce já não sabem mais como pedir ajuda. A SC-425 é o acesso mais importante do município e trajeto também para diversas outras cidades do Alto Vale.

Alice Dusmann é moradora da cidade e diariamente utiliza o trajeto para visitar familiares e se dirigir a outros municípios. Ela conta que ao passar pelo local pode se observar até o mato crescendo dentro dos buracos no meio da rodovia. “Eu utilizo de duas a três vezes por semana a SC pois tenho que ir para Pouso Redondo ou Rio do Sul e até para outras cidades, muitas vezes visitar familiares. Quando a gente vai chegando já tem buracos, já está desnivelado, tem lugares que nem tem mais asfalto só barro, aí prejudica em diversos pontos pois além da logística acaba com o carro também e você não tem como fazer o trajeto mais rápido. Virou um descaso tem mato crescendo nos buracos no meio do asfalto”, revela.

Há alguns anos as autoridades municipais, moradores e até mesmo escolas organizaram manifestações pedindo a reforma. “Já faz mais de 10 anos essa luta, esse trecho era para ser algo bom, mas foi feito as pressas e no dia da inauguração já tinha buraco, passa o ano e falam que vão tentar resolver e não resolvem. As pessoas acham que por ser uma cidade pequena tem que cair no esquecimento mas tem que lembrar que existem pessoas lá, e não só em época de eleição”, finaliza.