Alto Vale, Cultura
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Um livro com receitas típicas de quase 80 moradores deve ajudar a resgatar e preservar a história de Agrolândia. Intilulado “Colher de pau” ele não será lançado oficialmente em nenhum evento por conta da pandemia, mas já começa a ser distribuído pela região nos próximos dias.

Um dos autores, Wagner Mikael Galisa, lembra que o livro era um sonho dele e da colega, Maria Elisabete da Silveira , mas como o projeto envolvia custos altos e eles tiveram dificuldade de tirá-lo do papel . A realização do sonho veio através da aprovação de um projeto no edital Elisabete Anderle, da Fundação Catarinense de Cultura, onde eles conseguiram recursos junto ao Governo do Estado para a impressão.

Para a produção do livro eles visitaram as famílias e também conheceram melhor suas histórias e as receitas. “Ao final do projeto totalizamos mais de 200 quilômetros percorridos aqui na cidade e 35 dias de trabalho que resultaram num total de 90 receitas, todas que fazem história. O mais bacana é que fomos em cada canto do município. Buscamos senhoras lá do interior e foi um projeto que conseguimos envolver a comunidade, os clubes de mães, a prefeitura. A gente sentia a emoção das pessoas, a alegria em participar. Fomos até as comunidades, abríamos a porteira e éramos recebidos com sorriso e o cheiro de café no fogão a lenha”.

Ele conta ainda que o livro estava pronto desde março, mas em virtude da pandemia o lançamento, que estava programado para este sábado (28) precisou ser adiado. Como não será possível fazer nenhum evento por causa da contaminação na região, eles iniciam nos próximos dias a distribuição gratuita em vários locais. Ao todo foram impressos 500 exemplares.

No livro o leitor pode conhecer a receita, o modo de preparo, um breve histórico de quem é a pessoa que fez o prato e uma foto dela para ficar registrada. “Muitos familiares gostaram porque é realmente uma lembrança que poderemos proporcionar para muitas pessoas”, comentou.
O servidor público, Gilson Sasse, participou do livro apresentando quatro receitas que marcaram a sua vida e da sua família: o entrevero de pinhão, torta alemã, quentão de vinho e uma nega maluca, ele elogiou a iniciativa. “Achei maravilhoso pois valoriza a nossa comunidade. O que me chamou a atenção também foi o entusiasmo dos organizadores”, opina.

As cópias do livro serão doadas para todas as unidades de ensino municipais e estaduais de Agrolândia, pessoas que participaram do livro, Associação de Artesãos, Centro de Referência em Assistência Social, biblioteca municipal e para a Fundação Catarinense de Cultura que patrocinou o projeto.