Alto Vale, Política
Foto: Arquivo Prefeitura Municipal

Reportagem: Helena Marquardt / DAV

O Ministério Público de Santa Catarina, através da Promotoria de Justiça de Ituporanga, instaurou procedimento para apurar um possível ato de improbidade administrativa por parte do ex-prefeito de Ituporanga, Osni Francisco de Fragas. Ele não teria feito a prestação de contas de seu mandato, o que prejudicou o início doa trabalhos em 2021.

A denúncia foi feita pelo atual prefeito, Gervásio Maciel, que informou à justiça não ter recebido todos os documentos necessários para a sucessão da administração municipal. Dessa forma ele alegou que acabou sendo prejudicado já que foi impedido de acessar informações e outras providências preliminares para iniciar seu mandato.

A Câmara de Vereadores de Ituporanga, também foi notificada oficialmente na tarde de terça-feira (12) e agora terá 10 dias para encaminhar resposta sobre a suposta não prestação de contas.

O presidente do Legislativo, Leandro May, comenta que encaminhou o documento ao setor jurídico para a resposta, mas revela que realmente nenhuma prestação foi apresentada por Lorinho. “Ele não mandou nada, apenas o termo de transmissão de cargo, mais absolutamente nada e isso prejudicou o trabalho do atual prefeito porque teve que buscar todos os dados agora e para piorar o contador do município ainda estava afastado com covid”, disse.

Defesa diz que desconhece apuração sobre o assunto

O advogado de defesa de Lorinho, Luiz Carlos de Fragas Junior, afirma que até esta quarta-feira (13) não havia sido notificado sobre a investigação em relação a prestação de contas e que só poderia se manifestar mais tarde sobre o assunto.