Alto Vale
Foto: Divulgação

Rafaela Correa/DAV

Após quase um ano de espera por uma solução para o fim de todos os transtornos causados pela pandemia da covid-19, vacinas foram aprovadas e doses começaram a ser distribuídas em todo o Brasil. No Alto Vale 17.647 pessoas já receberam a vacina, o número equivale a cerca de 5,5% da população regional. Até o momento os municípios que mais aplicaram as doses em proporção ao número de habitantes foram José Boiteux (16,12%) e Vitor Meireles (9,63%). Das mais de 24 mil pessoas que testaram positivo para a covid-19, mais de 93% já estão recuperadas.

Apesar da vacinação caminhar a passos lentos pela falta de imunizante, em Rio do Sul, por exemplo, a secretária de Saúde, Roberta Hochleitner afirma que a procura pela vacina foi baixa no último fim de semana e que nesta segunda-feira (22) outras doses chegaram para imunizar a população com 73 e 74 anos. “Até esta segunda-feira já foram feitas 3.645 doses, o que equivale a 5,06% da população. No sábado (20), nós fizemos um drive thru, foi baixa a procura, apenas 112 doses foram aplicadas, até pelo tempo de divulgação a gente entende que muitas pessoas não receberam a informação. Tivemos a informação de que estaríamos recebendo na tarde desta segunda-feira, 1.199 doses para iniciar a vacinação de idosos acima de 70 anos, então foi feito outro drive thru para idosos de 73 e 74 anos”, conta.

Ela ainda faz um apelo para os idosos que fazem parte das faixas prioritárias que ainda não receberam as doses procurarem a unidade de saúde para agilizar a vacinação e destaca a importância da aplicação para amenizar os casos. “O pessoal que não vacinou no sábado, os idosos acima de 75 anos podem ir até as unidades de saúde porque tem doses garantidas e a gente pede que a população vá o mais rápido possível para que possamos agilizar essa vacinação. Quanto mais população imunizada, menos agravos de saúde a gente vai ter”, afirma.

Embora a vacina represente a esperança por dias melhores na Saúde de todo o Brasil, não é sinônimo de descuido e segurança para sair aglomerando. Roberta ressalta que sair dessa situação depende mais da consciência das pessoas.

Já no município de Ituporanga, a procura pelas doses no fim de semana foi maior, 350 idosos entre 74 e 79 anos foram vacinados. A expectativa é que na próxima semana Ituporanga receba um novo lote de vacinas e a campanha de vacinação seja ampliada para outros públicos.

De acordo com a Secretária de Saúde do município, Neide Sorbara Maciel, a Secretaria de Saúde tem adotado a estratégia de imunizar os idosos aos finais de semana, para evitar o contato deles com as demais pessoas que são atendidas durante a semana. Além dos idosos, 30 profissionais do Hospital Bom Jesus (HBJ) também foram imunizados no domingo (21). Até o momento pelo menos 1.813 vacinas entre primeira (1.446) e segunda dose (367), foram aplicadas no município, o que equivale a pouco mais de 4,1% da população.

Número de recuperados

Das mais de 24 mil pessoas que testaram positivo para a covid-19, mais de 93% já estão recuperadas. A reportagem entrou em contato com Adriana Fachine do Nascimento, de 27 anos, que mora em Pouso Redondo. Ela conta que passou por momentos difíceis e apesar de ser considerada recuperada ainda tem sintomas. Adriana que é gestante, começou a desenvolver sintomas mais graves da doença e precisou ser internada. “Comecei a ter sintomas como falta de ar, coriza e espirros, tive também dor de cabeça e bastante tosse, aí fui fazer o exame e deu positivo. Comecei a ter febre e vômito, os sintomas iniciaram na segunda e no domingo eu fui até o Pronto Socorro. Os médicos me deram remédio para febre, fui internada em Pouso Redondo e me transferiram um dia depois para Rio do Sul. Quando eu vim para cá preocupada, fiquei uma noite no Pronto Socorro e depois fui para a UTI. Quando me disseram que iria para UTI eu me desesperei mais ainda, tive muito medo, achei que não iria sobreviver e foram desesperadores os dias que fiquei internada, porque entrei na UTI sabendo que haveria possibilidade de ser entubada , sem saber o que estava acontecendo fora com a minha família”, destaca.

Adriana conta que a mãe e o pai também contraíram o vírus e que o pai continua entubado, sem previsão de alta. Ela, apesar de ter ganhado alta por estar grávida, precisou ser internada novamente para acompanhar o crescimento do bebê. “Minha mãe também teve covid mas teve sintomas mais leves se tratou em casa, meu pai continua em estado grave na UTI. Eu estou grávida, completei 31 semanas, fui internada novamente e estou sendo acompanhada pelos médicos, fazendo ultrassons duas vezes por semana para acompanhar o bebê porque esse quadro pode evoluir para uma piora muito rápida e por prevenção a equipe médica do Centro Obstétrico decidiu me internar para não ter riscos para o bebê. Ainda sinto muitas dores de cabeça e tenho picos de falta de ar também, estou utilizando bombinha e o meu pulmão foi 50% prejudicado, não se sabe quanto tempo vai demorar a recuperar”, finaliza.

Os dados utilizados como fonte para esta reportagem são atualizados diariamente por secretários de Saúde, assessores de imprensa e enfermeiros dos municípios do Alto Vale. Até o fechamento da edição, na tarde de ontem, os números eram os citados acima e podem ser conferidos através do link: https://bit.ly/DadosAltoVale_Covid-19.