Alto Vale
Imagem da localidade de São Martinho em Aurora - Foto: Yuri Erthal

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Mais de 140 unidades consumidoras do Alto Vale ainda permanecem sem energia elétrica desde a passagem do ciclone extratropical no dia 30 de junho. As residências estão distribuídas nos 28 municípios da região e estão localizadas principalmente em áreas rurais e que tiveram o acesso comprometido em virtude da queda de árvores.

O gerente da Celesc de Rio do Sul, Manoel Arisoli Pereira, explica que todos os esforços estão sendo feitos para a recuperação e ressalta que as equipes trabalham sem parar há 14 dias, mas foi impossível atender a todos simultaneamente. “O Alto Vale tem 130 mil unidades e cerca de 100 mil ficaram sem energia. Foram quebrados mais de 300 postes e trabalhamos desde então com 150 homens para reestabelecer o sistema, mas mais de 140 ainda estão sem energia. São basicamente em áreas rurais nas pontas do sistema. Nesses locais tem postes caídos ou árvores em cima da rede que requerem trabalho de reconstrução”, esclareceu.

Ele cita como exemplo que nesta terça-feira (14) uma equipe trabalha na localidade de Lontrinhas, em Lontras, onde 14 postes foram danificados e oito casas permaneciam sem luz. Para o conserto foi necessário auxílio de escavadeira da prefeitura. “São locais de difícil acesso e estamos demorando tanto pelo volume de trabalho. Alguém iria ficar por último porque todo o trabalho tem um início e tem um fim. Começamos das subestações localizadas em centros urbanos e vamos seguindo até o último consumidor da área rural”, completa.

A previsão é de que no máximo até esta quarta-feira (15) todos os trabalhos sejam finalizados e 100% das unidades consumidoras estejam coma energia reestabelecida. Manoel informa ainda que o cálculo dos prejuízos da Celesc ainda não foi finalizado, mas ele acredita que o total de perdas some mais de R$ 5 milhões só na região. “Não chegamos nessa parte dos números, mas por enquanto todos os nossos esforços são para reestabelecer esses locais ainda sem energia. Enquanto houver um consumidor sem energia, essa será nossa prioridade.”