Alto Vale

Reportagem: Gabriela Szenczuk/DAV

O prazo para fazer, transferir ou incluir o nome social no título de eleitor encerra nesta quarta-feira (06) e embora a pandemia do coronavírus tenha afetado diversos serviços, quem precisava ficar em dia com a Justiça Eleitoral teve a oportunidade de regularizar o seu título virtualmente para as eleições deste ano já que, desde o dia 16 de março, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) disponibilizou, por conta do isolamento social, todos os serviços e ferramentas necessárias em seu site.

Na 26ª Zona Eleitoral de Rio do Sul, foram praticamente 200 requerimentos online desde a implantação do novo modelo de atendimento. A chefe de cartório Cleidiane Sevegnani Adami conta que o único serviço suspenso por conta da pandemia foi a biometria. “A maioria das dúvidas que recebemos é em relação à biometria, mas isso não é problema. Mesmo que a pessoa não tenha regularizado isso, vai poder votar normalmente porque o serviço foi suspenso até passar essa pandemia.”

Ela ressalta, ainda, que os demais serviços podem ser feitos pela internet. “Não há como a pessoa deixar de votar por causa de algum serviço não disponibilizado. No site do TRE há, além das outras ferramentas que já eram oferecidas, todos os procedimentos que podiam ser feitos virtualmente desde março até o prazo final para a regularização”, conclui. Segundo Cleidiane, em Rio do Sul, são 49.855 eleitores e destes, 25.212 já estão com a biometria em dia, o que representa 50% do eleitorado da cidade.

De acordo com o técnico judiciário Danilo Marra, desde que os serviços virtuais foram disponibilizados, a 102ª Zona Eleitoral de Rio do Sul atendeu 244 requerimentos online, resultando em uma média aproximada de 5 atendimentos por dia. Em um levantamento feito pela 102ª ZE, nos municípios de Agronômica, Aurora, Laurentino, Lontras, Presidente Nereu e Rio do Oeste, 31.602 pessoas estão aptas a votar – o que representa 89,67% dos eleitores. Destes, 3.323 eleitores estão com títulos cancelados e 316 foram suspensos.

Segundo Danilo, os títulos cancelados ocorrem por motivos como falecimento, ausência de revisão de eleitorado ou ausência de três eleições consecutivas sem justificativa. Já os títulos suspensos geralmente têm justificativas de condenação criminal, interdições ou condenações por improbidade, por exemplo.

Danilo conta, ainda, que apesar do bom funcionamento da plataforma digital, a quantidade de requerimentos online foi relativamente baixa. “É necessário que o eleitor conheça essa nova alternativa, o que leva algum tempo, e que tenha acesso à internet, por computador ou celular, para realizar o requerimento. Esses fatores podem explicar, pelo menos em parte, os poucos pedidos diários de regularização de títulos nas últimas semanas. Mas é importante considerar que os cartórios da região realizaram nos últimos anos um trabalho amplo de revisões de eleitorado, o que fez com que os atendimentos nesse fechamento de cadastro diminuíssem. De qualquer forma, a porcentagem de inscrições aptas para o voto segue a média dos anos anteriores e a maioria poderá votar”, concluiu.