Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O MDB de Pouso Redondo, que conta atualmente com quase 800 filiados, anunciou que vai abrir mão do Fundo Eleitoral para as próximas eleições municipais e não estará na lista de distribuição dos recursos. A decisão já foi oficializada e encaminhada ao presidente do diretório estadual, Celso Maldaner. O objetivo seria garantir mais transparência e mostrar a população que a política não precisa ser feita com grandes investimentos em marketing de campanha e que o dinheiro público pode ser melhor aplicado em áreas como saúde e educação.

De acordo com o presidente do diretório municipal, Osnildo Dalmarco, a sigla já tem sete pré-candidatos a prefeito e todos concordaram antecipadamente com a decisão de não utilizar o recurso do Fundo. “Sempre fomos contra os recursos públicos serem utilizados na campanha. O Fundo Partidário para o partido se manter é uma situação, mas o Fundo Eleitoral não tem porque existir. Ele acaba sendo um recurso que vem para dar uma comodidade e permite com que o próprio candidato ache que tem muito dinheiro. Ele também confunde o eleitor que acha que o candidato tem que resolver certos problemas com essa verba, o que é proibido por lei”, esclarece.

O presidente ressaltou que na cidade os emedebistas acreditam que a campanha pode ser feita de forma simplificada e sem a injeção de grandes quantias em dinheiro e um trabalho de marketing simplificado. “Se a gente analisar o último pleito, tanto o presidente quanto o governador fizeram campanhas com o mínimo e quem fez com muito dinheiro ficou lá para o final então isso prova que o eleitor quer é seriedade com o dinheiro público”, comenta.

Osnildo explica ainda hoje o MDB tem se preparado para as eleições buscando composição com outros partidos que não fazem parte da atual administração e que podem formar uma coligação, mas que nada está definido. Mais uma reunião para discutir o assunto acontece nesta quarta-feira (24) seguindo todas as normas de segurança. “Estamos em negociação com os demais partidos que poderão estar conosco para indicação de um possível vice. Claro que os partidos que fazem parte da atual administração estão descartados, mas há conversas com o PSD,PP, Podemos e PSDB para uma possível parceria”, opina.

Segundo ele, a sigla tem uma grande militância e outro diferencial é a capacidade dos pré-candidatos que colocaram seus nomes à disposição. “Todos têm experiência com a gestão pública, o que hoje é um pré-requisito essencial para poder administrar bem uma cidade. Quem não tem essa experiência acaba mal assessorado e cometendo deslizes que não podem ser cometidos”, finaliza.