Alto Vale, Cidade
Foto: Adriano Gava/DAV

Reportagem: Rafaela Correa

O Jornal Diário do Alto Vale recebeu através das redes sociais, uma denúncia sobre um terreno no bairro Itoupava que estaria sendo usado por uma empresa particular como depósito de entulhos há mais de três anos. O local estaria localizado a menos de 15 metros do rio, causando a preocupação de moradores que chegaram a reclamar com a empresa que teria colocado terra sobre o lixo esta semana.

O autor da denúncia mora no bairro Itoupava e não quis ter sua identidade revelada, mas relatou que o terreno serve de aterro para uma empresa particular, desde 2017 e que eles só iriam até o local aos finais de semana e no período noturno. “O lugar vêm sendo usado como aterro desde 2017 por uma empresa, desde antes na verdade, mas foi nessa época que eu entrei em contato com o Thomé, tirei fotos e mandei e aí ficou que a prefeitura ia resolver e no final não resolveu. Eles fizeram um pedacinho de asfalto ali na nossa parte e a própria prefeitura jogou barro ali. De um ano para cá, um pouco menos, a empresa está jogando entulhos e encheu. No último sábado veio uma esteira para espalhar tudo, e jogar tudo para mais perto do rio ainda”, conta.

Segundo autor da denúncia, três caçambas estariam depositando os entulhos e aos sábados e domingos uma esteira estaria indo até o local para espalhar. “Tem restos de construção, ferro, geladeira velha, eles vão com a esteira jogam e fica tudo por baixo, não dá para ver nada. Não dá 10 metros do rio, um absurdo”, relata.

Outra moradora que também não quis se identificar, disse que a empresa teria jogado terra sobre os entulhos depositados ainda essa semana impossibilitando a visualização do lixo nas fotos.

Ele diz ainda que a situação é muito complicada e demonstra preocupação com o rio. “Isso querendo ou não vai complicando mais, vai trancando o rio, o nosso bairro vai se tornando como uma barragem, ali é uma parte que é curva e vai trancando cada vez mais o leito do rio”, afirma.

De acordo com o morador a situação não tem explicação e ele pede fiscalização. “Eu acho que para realizar um aterro existe burocracia até conseguir autorização. Ao lado do rio não existe possibilidade, falando em ferro, pneu, entulho, não existe chegar e colocar em qualquer lugar. Não tem explicação, ainda mais em um aterro sem autorização sem nada. Isso precisa de um destino certo e não em qualquer lugar”, destaca.

O que diz a empresa?

A reportagem entrou em contato com a empresa responsável para obter mais informações sobre o assunto e obter um posicionamento sobre a denúncia, mas até o fechamento da edição, na tarde dessa quarta-feira (25) não obteve respostas no whatsapp e ninguém atendeu ou retornou as ligações.