Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

O artesanato é um trabalho desenvolvido manualmente e que é muito valorizado por ser criado de forma única por um artesão a partir de matéria-prima natural. No interior do município de Ituporanga, a moradora Solange Soteli, que herdou o talento do pai, desenvolve há algum tempo peças como cestos, fruteiras, porta objetos a partir da palha de milho e encontrou no artesanato uma forma de complementar a renda da família.

Ela conta que tudo começou quando seu pai, muito doente, decidiu relembrar os trabalhos que desenvolvia quando mais jovem e então ela se interessou e começou a observá-lo. Com muita força de vontade logo aprendeu e não parou mais.

“Meu pai estava em estado terminal com câncer e ele estava começando a fazer essas cestinhas. É algo diferente, ele fez isso por muitos anos e parou, aí um dia ele lembrou e começou a fazer novamente. Mesmo doente ele me ensinou e então eu nunca mais parei, as pessoas começaram a encomendar porque postei no Facebook, começaram a gostar e agora eu faço para vender”, destaca.

As primeiras peças feitas pela artesã foram os cestos, mas depois de algum tempo passou a criar outros modelos. “Fiz por minha conta mesmo, fruteiras, porta isqueiro, porta caneta. O pai deu o primeiro passo e depois eu continuei”, comenta.

A artesã, natural de Chapadão do Lageado, ainda comenta que com seu trabalho já presenteou muitas pessoas na região. “Algumas pessoas compraram, outras eu presenteei também, mas a maior parte das casas aqui na localidade onde eu moro já tem o meu trabalho”.

Solange ainda explica que o trabalho é totalmente manual, uma vez que é feito com palha de milho seca, cortada em filetes. “Rasgo a palha em filetes e depois vou amarrando, fazendo nós. O valor varia de acordo com o modelo escolhido, mas custa em torno de R$15. No começo eu fazia e doava para quem vinha me visitar, depois passei a vender, já vendi mais de 50 peças”, afirma.

Apesar de todo o talento para o artesanato, Solange dedica maior parte do tempo à lavoura, que é a principal fonte de renda da família. As peças são feitas nas horas vagas.

“Nós somos agricultores e esse trabalho eu faço à noite, nas horas livres, sábados, domingos, porque em outras horas eu trabalho na roça”, explica.

Para os interessados em adquirir as peças, basta entrar em contato através do telefone (47) 99992-9497 ou pelo Facebook.