Cidade

Reportagem: Cláudia Pletsch/ DAV

Fé, força e superação, essa é a base da história de Paula Scopel Sabino, uma moradora de Rio do Sul, de 22 anos que passou pelas mais diversas provações ainda na adolescência, e que hoje inspira pessoas pelo Brasil e pelo mundo. Isso porque ela venceu uma doença muito grave e surpreendeu até mesmo a equipe médica com a cura. Depois de sete anos de recuperação ela dedica seus dias para contar sua história e encorajar outras pessoas.

Em 2013 com apenas 14 anos, Paula vivia uma vida normal até ser diagnosticada com toxoplasmose, a partir daí a doença que deveria ter um tratamento simples, mas cuidadoso, se tornou um pesadelo muito maior. Com os medicamentos Paula desenvolveu uma doença rara, chamada Síndrome de Stevens-Johnson que causa uma reação alérgica grave que pode provocar bolhas em toda a superfície da pele afetando também os órgãos, e em fase avançada pode causar até a falência múltipla dos órgãos, desidratação, sepse e pneumonia.

Paula conta que não foi fácil obter o diagnóstico da doença, e que a partir do momento em que a síndrome ficou clara ela já sabia que seria uma luta difícil. “No começo eu fui no pronto socorro e falaram que era uma alergia de algo que eu tinha comido, mas eu não estava me sentindo bem, estava com uma forte dor de cabeça, eu já não conseguia comer mais nada, e tinha manchas em todo o corpo. Depois de 10 dias indo e vindo do pronto socorro fizeram um exame de sangue, e uma médica deu o diagnóstico. Eu lembro que quando eu fui internada o médico disse que eu não tinha entrado lá para brincar, eu tinha entrado lá para morrer. Eles não fingiram que estava tudo bem, eles falaram para meus pais que eu sairia de lá somente por um milagre pois é difícil sobreviver a essa síndrome, e é mais difícil ainda sobreviver e ficar sem nenhuma sequela”, explica.

Paula ainda diz que os primeiros sintomas foram dor de cabeça e algumas manchas leves que começaram a surgir nas mãos. As manchas evoluíram para bolhas que tomaram cerca de 90% de seu corpo, deixando-a com queimaduras de segundo grau. Ela ainda explica que as fortes dores que sentia no corpo todo eram angustiantes, mas que o pior ainda estava por vir: infecção generalizada e a falência dos órgãos. “Foram momentos terríveis de dor de angustia, mas eu tinha uma esperança dentro de mim de que eu ficaria bem, de que Jesus iria fazer um milagre. A dor era terrível, as vezes eu tinha vontade de correr, de arrancar toda a minha pele pois eu tinha muita dor e muita coceira no corpo todo. Mas eu nunca questionei a Deus o motivo de eu estar passando por tudo aquilo, eu sempre agradeci pelos momentos que eu estava viva. Um dos momentos mais difíceis foi quando eu comecei a ter falência dos órgãos, eu já tinha perdido meu fígado e estava começando a perder meus rins pois o grau de infecção aumentava cada vez mais”, conta.

A missionária ainda explica que foram cerca de 15 dias internada na UTI, e quando as esperanças da equipe médica já tinham acabado, o milagre da cura aconteceu. “Em um domingo os médicos liberaram a entrada na UTI para que meus irmãos pudessem entrar e se despedir de mim pois eu não tinha mais falado com nenhum deles e no estado que eu estava a qualquer momento eu poderia morrer. Eu passei aquele domingo com minha família na UTI e na segunda-feira o médico chamou meu pai e disse que não sabia o que estava acontecendo mas que os exames da manhã diziam que eu estava morrendo, e os exames do meio dia diziam que eu estava curada, que eu não tinha mais nenhum grau de infecção e que meus órgãos tinham voltado a funcionar”, lembra.

Depois de ficar mais algum tempo no hospital se curando das feridas pelo corpo, Paula conta que não ficou com nenhuma sequela, e que agora utiliza sua história para ajudar outras pessoas pelos lugares onde passa contando sobre suas lutas. “Eu sou fruto de uma gravidez tubária que é uma gravidez impossível, até hoje os médicos não conseguem tirar a criança da trompa e colocar no útero, então desde o ventre da minha mãe Jesus já me escolheu e hoje eu vejo que com o que eu passei eu posso ajudar muitas pessoas. Todos os dias eu recebo mensagens de pessoas dizendo que através do meu testemunho tiveram forças para seguir”, explica.

O final da história de lutas de Paula é feliz, pois depois de quase dois anos de curada ela conheceu o esposo Maykon e depois de um ano e meio de casamento ela realizou o sonho de ser mãe de Samuel que agora tem dois anos. “Eu sou muito grata a Deus pela minha vida, pelo milagre que Deus fez pois hoje graças a Ele eu estou aqui e não fiquei com sequelas. Hoje eu agradeço a Deus pelo que eu passei e por ter uma vida normal”, finaliza.