Cidade
Foto: Helena Marquardt/DAV

Helena Marquardt/DAV

Moradores da Ladeira Fortaleza, no Bairro Eugênio Schneider em Rio do Sul cobram uma solução para os problemas da rua que tem lajotas soltas em vários trechos, desníveis e buracos que colocam em risco a segurança de quem transita e quem vive no local. Segundo eles as reclamações são feitas há mais de uma década, no entanto, até hoje a situação nunca foi resolvida.

O aposentado Antônio Duque, conta que mora no local desde 2008 e há mais de 13 anos convive com a mesma situação. “Aqui passam carros pesados, caminhões, maquinário da Casan e isso tudo vem agravando o problema. Quem sobe vai acelerando e joga as lajotas para baixo e quem desce vem freando fazendo também com que as lajotas se desloquem. E essas lajotas não são ideais para esse tipo de calçamento porque elas são retas. Precisaria daquelas que ficam intercaladas, um lado para fora e o outro para dentro e a cada 30 metros ter uma viga de contenção para evitar que elas se desloquem”, opina.

Outro morador que sofre com os problemas e já teve até prejuízos financeiros é o empresário Welleston Perea. Ele relata que reside no local há seis anos e já teve o carro da família atingido por parte de uma lajota que se desprendeu enquanto um outro veículo passava pelo trecho. “Estou há um ano e meio ligando para a prefeitura e para a Casan e eles sempre culpando um ao outo. Nós que moramos aqui temos esse problema continuamente.

Vieram agora os caminhões e colocaram essa recheada de pedras que não resolvem, causam mais problema. Há algum tempo saltou uma pedra no carro do meu filho e estragou. Agora quem se responsabiliza?”, cobra.

Além das lajotas soltas desníveis e buracos, Antonio conta ainda que a Ladeira Fortaleza também tem problemas na tubulação que acaba causando alagamentos nas áreas mais baixas. “Na rua toda os bueiros estão entupidos e quando chove faz com que a água desça e cause problema na parte mais baixa onde a água fica empoçada”, completa.

Os moradores relatam que os transtornos têm se agravado porque o tráfego de veículos pesados no local está aumentando, assim como o movimento, já que muitos motoristas utilizam o trecho como rota alternativa para desviar do congestionamento do centro em horários de pico. Eles alegam que já cobraram diversas vezes uma solução da prefeitura, mas até o momento apenas consertos paliativos foram realizados.

O que diz a prefeitura?

Em nota a prefeitura de Rio do Sul declarou através de sua assessoria de imprensa que a Secretaria de Obras está com muita demanda de ruas com mais problemas e está fazendo esses atendimentos, mas alegou que fará uma vistoria no local para saber que tipo de intervenção pode ser feita na Ladeira Fortaleza para resolver o incômodo aos moradores.