Alto Vale
Divulgação

 

Helena Marquardt

 

Após meses de espera, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC) da Gerência Regional de Saúde de Rio do Sul, recebeu o resultado dos exames para apontar a causa da morte de seis dos sete macacos encontrados no Alto Vale e a suspeita inicial, que era de febre amarela, foi descartada. Agora o órgão aguarda apenas o resultado de mais uma análise que ainda está sendo feita, mas continua reforçando os riscos e a importância da imunização da população.

 

Os macacos foram encontrados mortos em Rio do Sul, Presidente Getúlio, Braço do Trombudo Rio do Oeste, Chapadão do Lageado, Taió, Trombudo Central e Dona Emma e acenderam um alerta para a possibilidade da doença estar circulando pela região. Quando eles foram achados a Vigilância conseguiu fazer a coleta de vísceras e as amostras foram enviadas ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) em Florianópolis e de lá encaminhadas para um laboratório em outro estado especializado nesse segmento.

 

A enfermeira responsável pelo setor de imunização, Josiane Verdi Schaade, explica que o resultado negativo para a febre amarela de certa forma tranquiliza os órgãos de saúde, no entanto o risco da doença chegar a região ainda é grande e o momento é de alerta.

“Continuamos em alerta, principalmente porque a vacinação em algumas cidades continua muito baixa. Presidente Nereu, Rio do Campo e Lontras por exemplo não atingiram nem os 70% de cobertura o que é preocupante”, disse.

 

Segundo Josiane, a melhor forma de prevenção é a vacinação.

“Por isso a orientação que damos a toda a população é de que todos sejam imunizados. A gente faz aquela varredura em bordas de mata, mas continuamos pedindo para as pessoas procurarem os postos e deixe a vacinação em dia porque o risco realmente é bem grande”, completa.

 

Ela lembrou ainda que os macacos não transmitem a febre amarela. Eles são vítimas da doença e sinalizam a circulação do vírus na região. Por isso, ao encontrar um macaco doente ou morto, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser comunicada imediatamente para que a coleta das vísceras seja feita e a causa da morte determinada.