Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt

Além da pandemia de coronavírus, a morte de macacos tem preocupado as autoridades de saúde do Alto Vale que aguardam o resultado de exames para determinar ou descartar a possibilidade de febre amarela em cerca de 10 casos na região. O mais recente aconteceu em José Boiteux.
Em Lontras, na localidade de Dona Paula, um macaco da espécie bugio também foi encontrado doente no dia 10 de abril. Um veterinário da prefeitura juntamente com a vigilância em Saúde foi até o local, mas o animal acabou morrendo antes da chegada. Foram coletadas amostras para testagem e enviadas para o Laboratório Central (Lacen) em Florianópolis.

A bióloga da Gerência Regional de Saúde, Leoiza Andrião Coelho, explica que o resultado pode demorar de dois a três meses em situações normais, e a pandemia de coronavírus tem atrasado um pouco esse processo.
Ela destaca que independente de resultados, todos os locais que registram morte de macacos passam por um processo de bloqueio vacinal numa área de 300 metros.

A Agente de epidemiologia e Lontras, Fabiele Zucatelli, explica em Lontras a morte de macacos já foi registrada nas localidades de Lontrinhas e Dona Paula, e que casos também foram registrados no Alto Bela Aliança em Rio do Sul, o que pode indicar presença da doença. “Analisando o mapa e se formos pensar por área de mata esses locais ficam bem próximos então trabalhamos com a possibilidade de que o vírus da febre amarela esteja circulando na nossa região, mas com toda essa situação que estamos vivendo por causa do coronavírus, esse resultado do exame pode demorar de dois a três meses”, disse. Ela explica ainda que protocolo da Vigilância é fazer varredura num raio de 800 metros onde foi encontrado um macaco. ”Fomos de casa em casa quem não era vacinado recebeu a vacina. Orientamos todas as famílias também da importância de nos comunicar sempre que houver a morte de algum macaco.”
Na cidade a cobertura é de cerca de 70%. Já em José Boiteux, que teve o registro do caso mais recente, a cobertura já é de 100%. “Acreditamos que é mais uma doença que está chegando a região e precisamos estar preparados e todos vacinados”, completa Fabiele.

Macacos não transmitem a doença

É importante frisar que macacos não transmitem o vírus da febre amarela, a disseminação da doença é feita pelo mosquito fêmea. Quem ainda não tomou a vacina deverá comparecer a uma unidade de saúde.