Alto Vale
Foto: Arquivo pessoal - O vereador Jinho (d), junto ao vereador Peixinho (e), e o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, presidente do Conselho de Administração da Aris

O vereador Jair Alberto das Neves, o Jinho (PP), de Taió, pretende retomar o tema sobre a municipalização do fornecimento de água, coleta e tratamento de esgoto no município em 2018. Ele foi indicado pelo prefeito Almir Reni Guski (PSDB), para representar o município na Assembleia da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (ARIS), na Capital.

A ARIS é responsável pelo controle de vigilância da qualidade da água para consumo humano. “Aproveitei para me inteirar dos procedimentos adotados nos municípios que possuem fornecimento de água e tratamento de esgoto próprios. Defendo a ideia de que o município de Taió, deveria reavaliar o contrato com a Casan e estudar a implantação de autarquia própria”, afirmou Jinho.

O vereador defende o cancelamento do contrato entre Taió e a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). Um dos argumentos dele, é o fato da empresa estatal nunca ter investido no saneamento básico no município de Taió e “só vendeu água”, desde a sua instalação.

Em abril, o assunto foi discutido na Câmara de Vereadores, quando o ex-prefeito de Presidente Getúlio, Nilson Stainsack, explanou sobre a municipalização da Casan naquele município. “O exemplo de Presidente Getúlio deveria servir de inspiração para Taió, os recursos arrecadados pela cobrança da água são revertidos, na totalidade ao município. Aqui, a Casan arrecada muito mais do que investe”, afirmou o edil.

Ele também questionou e citou o exemplo do município de Ibirama, onde metade da cidade já conta com rede de esgoto, investidos pela Casan. Jinho lembrou que em Taió, já foram liberados R$14 milhões, via financiamento firmado com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). O vereador destacou uma audiência no dia 25 de agosto de 2015, na presidência da Casan.

“Inclusive houve o lançamento do edital para a primeira etapa das obras de esgotamento sanitário e da estação de tratamento de esgoto do município. O deputado Aldo estava junto com o ex-prefeito Hugo Lembeck, prometeram e não cumpriram”, argumentou o vereador.

Jinho lamentou o atraso desses investimentos, porque várias ruas estão sendo pavimentadas sem a instalação da rede do esgoto. “Depois da pavimentação pronta, os transtornos aos moradores para a colocação da tubulação de esgoto serão muito maiores”, concluiu.

A CASAN atende atualmente 198 municípios, com uma rede de distribuição de 12.712 quilômetros. Já no sistema de esgotamento sanitário são apenas 1.412 quilômetros, 20% da cobertura.