Cidade, Cultura
Foto: Divulgação

A Fundação Cultural de Rio do Sul começa o ano com um novo diretor-executivo. A pesquisadora e professora doutoranda em Artes Visuais, Ângela de Andrade Palhano, deixa o cargo para se dedicar à carreira acadêmica. No seu lugar, assume o administrador e músico, Rafael Tschumi. “Recebo com muito prazer o desafio de ser o diretor da Fundação Cultural. Sempre estive envolvido com arte, fiz teatro, sou músico formado e com banda, conheço muitos artistas da cidade e sempre que posso participo dos eventos da Fundação, do Sesc e outros que envolvem música, dança e artes”, comenta Rafael.

O novo diretor assumiu as atividades nesse dia 8 e conta que a proposta da gestão é dar continuidade as principais áreas de atuação da Fundação Cultural: cursos, eventos, projetos e políticas públicas. “Entendo que o desafio é grande, a Fundação tem uma responsabilidade com o patrimônio da cidade, tem o arquivo histórico, biblioteca, museu, tem o conhecimento também, já que é uma escola com mais de 600 alunos e claro, proporcionar cultura. O desafio é manter o excelente trabalho que a Ângela vinha fazendo, a gente pode claro, melhorar tanto na qualidade dos eventos, quanto diversificação e de algumas coisas que a gente já andou conversando. Desde de novembro, estou em reuniões com a Fundação Cultural, estamos fazendo um diagnóstico e tendo as ideias para esse novo ano”, explica.

Rafael Aparício Tschumi é natural de Rio do Sul, licenciado em Artes com habilitação em Música pela Universidade Regional de Blumenau (FURB), bacharel em Administração com ênfase em Marketing e em Direito pelo Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (Unidavi). Possui pós-graduação MBA em Gestão Empresarial pela FGV/Sociesc. É guitarrista, vocalista e compositor da Banda Costeletas desde 2006 e atual vice-presidente da Associação Cultural Tschumistock. Foi organizador do Tschumistock, festival de bandas realizado em Rio do Sul de 1995 a 2008, e do Porão do Duque (shows de bandas) em 2008 e 2009, também na cidade. Cursou Percepção Rítmica, Canto, Contrabaixo e Guitarra na Fundação Cultural entre 1999 e 2002. Atualmente trabalha na administração gerencial, financeira e de marketing de empresas em Rio do Sul.

Ele revela que novidades podem surgir já no seu primeiro ano à frente da Fundação. “Até antes de receber o convite para ser diretor, já havia comentado com o prefeito sobre a vontade de fazer um festival de música em Rio do Sul, que seja referência, que extrapole os limites da cidade. Além da Feira do Livro, que é um evento de qualidade, ele gostaria de ter também um festival de música com a mesma visibilidade. Quem sabe a gente consegue propor isso ainda este ano”, finaliza Rafael.

Susana Lima