Política
Foto: Arquivo DAV

Cláudia Pletsch/DAV

Depois de quatro meses ocupando uma cadeira na Câmara dos Deputados, já que é suplente, o empresário Nilson Stainsack (Progressistas), fez uma avaliação sobre o período em que assumiu a vaga. Ele ainda falou sobre os valores destinados para a região e sobre a possibilidade de se filiar ao PSD, fez também uma avaliação sobre o governo Bolsonaro.

O empresário que já foi prefeito de Presidente Getúlio por dois mandatos enfatizou a importância do Alto Vale ter um representante em Brasília e diz que em apenas quatro meses nos quais esteve atuando como deputado federal conseguiu R$ 15 milhões para a região. “Eu consegui vários veículos basculantes, recursos para a saúde, nesses menos de quatro meses eu consegui aproximadamente R$ 15 milhões para atender a demanda dos prefeitos e da nossa região aqui no Alto Vale. O mais importante é que quando aconteceu a tragédia aqui em Presidente Getúlio, Rio do Sul e Ituporanga eu conversei direto com o secretário nacional de Defesa Civil e ele se prontificou a vir, ele veio para Santa Catarina e para ter uma ideia eu estive lá na quinta-feira e na sexta-feira o dinheiro já estava depositado na conta do município de Presidente Getúlio, mais de R$ 14 milhões, no município de Rio do Sul mais de R$ 3,5 milhões e para Ibirama mais de R$ 10 milhões por isso a importância de ter um deputado federal, eu estive lá e o sensibilizei e assim ele esteve aqui”, comenta.

Sobre o futuro político e uma possível filiação ao PSD, Nilson não descartou a possibilidade de migrar para o partido, mas diz estar avaliando o convite com cautela. “Estou avaliando, continuo sendo primeiro suplente na coligação junto com o PSD, PP e Partido Verde. Tive uma conversa e até fico orgulhoso de as grandes lideranças aqui do Alto Vale, o Milton Hobus, prefeito Thomé, doutor Paulo Cunha o presidente do PSD de Rio do Sul e em especial o ex governador Raimundo Colombo que eu considero uma grande liderança política estiveram me procurando para ir ao PSD, então estou avaliando, mas eu sou progressista sou da direita, meus amigos políticos conquistei dentro do Progressistas”, avalia.

Sobre disputar uma nova eleição como deputado federal Stainsack também diz que não descarta a possibilidade. “Nós aqui da região precisamos ter alguém pois os recursos estão lá e nós precisamos ter alguém que os traga para cá então estou realmente avaliando, estudando, não decidi ainda se vou ser novamente candidato a deputado federal. Preciso conversar com meus parceiros e amigos políticos e principalmente minha família que precisa estar ao meu lado para que eu possa continuar nessa empreitada que é muito difícil”, justifica.

Numa avaliação do governo Bolsonaro, Nilson diz que o presidente está tomando decisões corretas e acredita estar fazendo o melhor pelo país. “O Bolsonaro eu já conhecia quando era prefeito, desde aquela época eu conhecia ele lá de Brasília e ele sempre é a mesma pessoa, é muito autêntico e não mudou seu jeito de ser, seu caráter e forma de agir. Ele está muito bem assessorado, está cercado de pessoas corretas e hoje para você ver nós temos mais de dois anos de mandato do Bolsonaro e não tem um escândalo de corrupção e o país está andando. Eu entendo que ele é uma pessoa que quer o melhor para o Brasil, o nosso bem, o bem das pessoas e a gente sabe que praticamente toda mídia bate nele 24 horas por dia e ele tem que ter o couro muito grosso para aguentar isso, eu fui prefeito e sei como é, eu vivi na pele isso também. Entendo que o Brasil está no caminho certo e que as reformas necessárias vão acontecer, já aconteceu a reforma da previdência, vai acontecer a reforma tributária, administrativa e tudo que o Brasil precisa para mudar”, finaliza.