Alto Vale
Foto: Cris Kahl/Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Publicada na sexta-feira (18) a portaria que estabelece os critérios para retorno gradual e monitorado de eventos sociais, congressos, feiras, museus e exposições em Santa Catarina não agradou os profissionais do setor do Alto Vale que foram alguns dos mais atingidos economicamente pela pandemia. Sem poder trabalhar há mais de seis meses, eles anunciaram que devem continuar com uma série de mobilizações caso novas medidas não entrem em vigor.

Além das medidas de proteção já conhecidas, como uso de máscaras, distanciamento social e intensa higienização dos ambientes, a volta dos eventos dependerá das avaliações do Risco Potencial de cada Região de Saúde, o que definirá, por exemplo, a capacidade de público do espaço de realização.

A fotógrafa, Cris Kahl comenta que inicialmente a comissão que integra profissionais do setor na região, estava otimista, mas ao avaliar as novas regras eles perceberam que elas não trazem de fato a liberação ou uma segurança econômica para os profissionais. “Era como se fosse uma luz no fim do túnel, mas as regras não nos beneficiaram em nenhum momento”, desabafa.

Ela comenta ainda que o decreto concede liberações de acordo com o mapa de risco que pode sofrer alterações, dias antes de um evento, o que traria ainda mais prejuízo. “Se uma empresa organiza um casamento, por exemplo, ela precisa encomendar e pagar as flores com antecedência, mas se mudar a cor da região dias antes da data, ela simplesmente vai perder todo aquele investimento, então acreditamos que essas novas regras foram anunciadas por causa da pressão do segmento, mas na verdade não beneficiam de fato porque ninguém do Alto Vale consegue retornar dentro desses moldes”, opina.

Caso novas medidas não sejam anunciadas os profissionais vão continuar a série de mobilizações que estavam previstas anteriormente. Na quinta-feira eles chegaram a entregar um documento ao prefeito de Rio do Sul onde apresentavam protocolos para a retomada segura de eventos dos mais diversos segmentos.

O que estabelece a nova portaria

As liberações de eventos e cinemas levam em conta as Avaliações do Risco Potencial para a Covid-19 em todo o estado e as determinações da portaria 658. Nas regiões que apresentarem Risco Potencial Gravíssimo (representado no mapa pela cor Vermelha) ou Risco Potencial Grave (cor laranja) continuam proibidas as realizações de qualquer um destes eventos.

As liberações ocorrem apenas diante do cenário de Risco Potencial Alto (cor amarela), quando as liberações respeitam uma limitação de 40% de capacidade. Nas regiões com o Risco Potencial Moderado (cor azul), a capacidade pode ser de até 60%. Na portaria que estabelece regras para museus de Santa Catarina, permite-se a visitação do público também no Risco Alto (cor amarela), desde que sejam visitas individuais e previamente agendadas.

Pela avaliação da Matriz de Risco Potencial publicada na última quarta-feira (16), Santa Catarina está com 10 regiões em estado grave e uma em estado gravíssimo. As liberações gradativas, de acordo com essa análise, podem ocorrer apenas na região Extremo Oeste, a única que apresentou risco Alto.