Alto Vale
Foto: Helena Marquardt/DAV

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

As obras da nova sede da Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi), Câmara de Vereadores de Rio do Sul e União das Câmaras de Vereadores do Alto Vale do Itajaí (Ucavi) que estavam previstas para serem entregues em 2021 devem ser concluídas somente no próximo ano. O investimento é de mais de R$ 7 milhões.

O secretário Executivo da Amavi, Paulo Roberto Tschumi explica que a primeira etapa que era a construção com pré-moldados e fechamento da estrutura já foi concluída. “Agora os trabalhos estão na segunda etapa que é focada na licitação para diversos serviços”.

O engenheiro civil Luciano Ricardo Krüger explica que ao todo são sete licitações em andamento ou executadas. Os processos são para compra de pré-moldado, instalações, parede, compra de dois elevadores, instalação de esquadrias e vidro, piso vinílico, forro de gesso e granito. “Nesse momento temos um total de R$ 3,2 milhões licitados e muita coisa está em andamento. Temos hoje cerca de 45% da parte financeira executada e 65% da parte física, já que as duas coisas não caminham juntas”, disse.

Ele comenta que a intenção era entregar o prédio em 2021, mas alguns fatores acabaram causando o atraso. “Por motivos de economia optamos por licitar em partes, mas veio a pandemia e com isso teve inflação. Como toda obra pública onde tem licitação, tivemos alguns problemas tanto de conseguir material, alta nos produtos. Agora a previsão de conclusão é para 2022”.

O engenheiro Walter Dalpiaz Junior comenta que a estrutura tem 2.850 metros quadrados e prevê instalação de sistema fotovoltaico para energia solar e captação de água da chuva com reaproveitamento nos banheiros e jardins. Ele ressalta que apesar do atraso a obra não teve aditivos, o que seria um ponto positivo. “Tudo está andando conforme precisa”, pontuou.

Tschumi comenta ainda que quando o prédio estiver concluído trará muitos benefícios já que hoje a entidade sofre com a falta de espaço físico. “Temos uma dificuldade grande de abrigar o nosso pessoal, já que temos um volume de trabalho bastante grande e os próprios consórcios vieram para a Amavi, então hoje acabamos colocando todos juntos. Estamos sobrecarregados nos ambientes com três ou quatro setores dentro de um mesmo espaço”, ressalta.

A nova sede contará ainda com um auditório para até 160 pessoas, o que vai acabar com a necessidade de ir para outros locais e até pagar aluguel quando um evento precisa comportar muitas pessoas. “Teremos também uma sala de reuniões para os colegiados e para os prefeitos já que são 28 prefeitos, 28 secretários de Saúde, Educação, Agricultura, entre outros setores e eles terão um espaço mais adequado incluindo acessibilidade que a gente não tinha e fora da cota de enchente”, conclui.