Alto Vale
Foto: Sidney Aguiar - Uma missa na manhã do último domingo (12) celebrou os 50 anos de sacerdócio do Padre Tiago Heinzen

Uma missa na manhã de domingo (12) celebrou os 50 anos de sacerdócio do Padre Tiago Heinzen. O evento também fez parte das comemorações dos 80 anos da Paróquia Cristo Rei de Taió, que realizou a tradicional festa no mesmo fim de semana. A missa, que deixou o padre emocionado, reuniu fiéis de várias comunidades do interior de Taió. “Por causa dos meus problemas cardíacos, tive que me concentrar para não me emocionar demais e após a celebração eu precisei repousar”, conta.

Padre Tiago fará a última missa no próximo dia 10 de dezembro, na comunidade de Pinhalzinho, em Mirim Doce, onde viveu com a família. “O pessoal acredita que vai reunir mais gente nesse dia do que o comício do Jânio Quadros, no ano de 1960, em Rio do Sul”, brincou. A ordenação estava marcada para o dia 3 de dezembro de 1967, em Joinville, mas devido a um acidente de um irmão em Curitiba, que veio a falecer, ele foi incluído no grupo que foi ordenado padre no dia 10 de dezembro, em Rio do Sul.

Ele relatou que escolheu a localidade de Pinhalzinho por ser o local onde “se criou”. Tiago chegou em Pinhalzinho com a família, quando tinha apenas sete anos. “A família agora está bastante dispersa, mais foi ali que iniciamos tudo, escolas, primeira comunhão e a vida de comunidade”. Por duas vezes, antes de ser ordenado, foi escolhido para seguir os estudos na Europa, mas preferiu ficar no Brasil, e disse que jamais se arrependeu da escolha.

“Eu fiz conscientemente, primeiro porque eu tenho dificuldades com línguas e naquela altura ir para a Europa, tendo que aprender o alemão, iria me dificultar os estudos. O segundo motivo, que eu quase não divulgo, é que ninguém me garantia que eu iria até o fim e virar sacerdote. Um colega que tinha ido há meio ano antes já tinha voltado e eu pensei que não queria causar um vexame desses para minha família e para a diocese. Depois, eu e o padre Moacir Moser fomos escolhidos para estudar na Suíça, mas também preferimos ficar aqui”, explica.

Encontrei o padre Tiago fazendo sua caminhada diária. Por orientação médica, ele precisa percorrer 26 quilômetros por semana. Ele confessou que não está conseguindo, porque o “coração está muito preguiçoso, batendo cada vez menos”. E completou em tom de brincadeira: “Quando meu pai fez 50 anos, eu tinha 15, e achei que não chegaria aos 49 anos de vida, agora cheguei nos 50 anos de padre, está bom demais, qualquer coisa que vier a mais é lucro”.

Histórico

Nasceu no dia 25 de julho de 1941, em Grão Pará, na época, município de Orleans, e veio com os familiares residir em Pinhalzinho, na época, interior do município de Taió. Em 6 de fevereiro de 1954, aos 12 anos de idade, ele caminhou descalço de Pinhalzinho até o Centro de Mirim Doce, de onde partiria um caminhão que levaria um grupo de meninos para estudar no seminário de Nossa Senhora da Salete, hoje, Santuário Diocesano.

Estudou em Salete, Brusque e Curitiba. A Ordenação foi no dia 10 de dezembro de 1967, na Igreja Matriz da Paróquia São João Batista, de Rio do Sul. O mestre de cerimônia foi o seminarista noviço “José Jovêncio Balestieri”, ordenado padre dois anos depois e, bem mais tarde, nomeado o Terceiro Bispo da Diocese. Padre Tiago terminou os estudos de teologia em Curitiba, contribuindo em paróquias próximas ao seminário. Exerceu seu ministério em seis paróquias da Diocese de Rio do Sul, além de ajudar no Seminário menor e Cúria Diocesana.

Alexandre Salvador