Alto Vale
Foto: Makito/ Arquivo Santur

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

O setor de turismo de modo geral sofreu muito com a pandemia causada pelo coronavírus e embora os parques aquáticos sejam destinos comuns em dias de calo, no Alto Vale, eles foram mais atingidos no fim da temporada. Com a chegada do verão, empresários estão otimistas com a possibilidade de abertura, já que a região encontra-se na cor amarela de acordo com a matriz de risco.

Os donos de estabelecimentos que oferecem piscinas como lazer poderão, a princípio, abrir na próxima temporada, porém será necessário seguir alguns protocolos sanitários para evitar a transmissão do vírus, como expor cartazes com informação de como prevenir, limitação de pessoas, distanciamento e muitas outras exigências estabelecidas na portaria Nº 705 de 15 de setembro de 2020.

Se os municípios continuarem com os números como estão, os parques poderão receber 50% da capacidade total, se passar novamente para o risco grave, somente 40% será autorizado e se for para gravíssimo, a abertura ficará proibida.

De acordo com o dono de um parque aquático de Agrolândia, Volnei Becker, o turismo teria sido um dos setores mais prejudicados. Ele diz que muitos não conseguirão voltar. “Não é o nosso caso, mas tem muita gente que já abandonou. Desanima, recomeçar é difícil, depois de anos de luta para conseguir o espaço”, comenta.

Volnei diz ainda que trabalha com parque aquático há mais de 20 anos e não acha que eles serão afetados na temporada. “Não me refiro aos parques aquáticos porque estava no final da temporada quando começou, mas pessoas que estão começando agora, que tem uma pequena pousada, que estavam com alguns projetos em andamento foram muito prejudicados porque tiveram que ficar parados”, conta.

Ele revela que indiretamente o setor pode ser atingido com o fechamento de outras atividades, já que uma pousada, por exemplo, poderia atrais muitas pessoas para o estabelecimento. “Na nossa localidade tinha umas cinco ou seis propriedades interessadas e ficaram todo esse tempo parado, tinham projetos em cima disso, estavam empolgados para entrar no setor de turismo, mas agora já devem ter desistido, não conversei mais com eles, mas devem ter desistido. Eu falo sobre essas pessoas que iriam contribuir com o crescimento do parque e o parque com o crescimento deles. Hoje acho que não voltam mais”, relata.

Questionado sobre as regras que deverá cumprir quando abrir o parque, em novembro, ele diz que ainda não estão a par das restrições e que vão estudar uma forma de atender as normas. Quanto à limitação de capacidade para 50%, ele não se preocupa já que o espaço poderia suportar até seis mil pessoas.

Conheça as regras

Todos os estabelecimentos serão obrigados a divulgar, em local visível, as informações de prevenção à Covid- 19 estabelecidas pelo Governo do Estado para a atividade; deverão tomar medidas para garantir que todos os sistemas de água (bebedouros, fontes decorativas, banheiras de hidromassagem entre outros) sejam seguros para uso após um desligamento prolongado das instalações, para minimizar o risco de doenças associadas à água; A compra dos ingressos deverá ser realizada preferencialmente com cartão, se possível online e as máquinas de pagamento por cartão devem ser higienizadas com álcool 70% após cada uso, podendo ser revestidas de plástico filme.

Além disso, a entrada nas dependências do parque aquático ou no complexo de águas termais só será permitida com aferição de temperatura por método digital por infravermelho e caso o visitante ou o trabalhador apresente temperatura corporal igual ou superior a 37,5°C, ou sintomas gripais ficará impedida a entrada no parque. Todos os visitantes e os trabalhadores serão obrigados a utilizar máscaras durante todo o período, exceto quando estiverem dentro da água; Funcionários e clientes deverão respeitar o distanciamento de 1,5 metro dentro e fora da água.

Será necessário também, intensificar a desinfecção com álcool a 70% ou sanitizantes de efeito similar dos utensílios e superfícies que tiverem maior probabilidade de contaminação. Manter os lavatórios dos sanitários providos de sabonete líquido, toalha descartável, álcool 70% ou preparações antissépticas e lixeiras com tampa de acionamento; Higienizar objetos compartilhados; Controlar o uso de áreas comuns programando a sua utilização para evitar aglomeração e monitorar os níveis de cloro e pH da água das piscinas de 2 em 2 horas.
A portaria com todas as regras pode ser acessada no site www.sc.gov.br.