Cidade

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O piloto que passou com um helicóptero por debaixo de uma ponte durante um mutirão de limpeza do rio em Rio do Sul, no dia 16 de maio, já foi identificado e segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), teve a licença suspensa cautelarmente, mas por apenas alguns dias. A manobra continua sendo alvo de uma investigação do órgão que pode culminar em punições tanto para o piloto quanto para a empresa que oficialmente era a operadora do helicóptero.

Por e-mail, a Anac esclareceu, através de sua assessoria de imprensa, que a investigação de possíveis infrações às normas de aviação é feita por meio de análise de documentos recolhidos ou recebidos através de denúncias como imagens e fotos. Nesta etapa, os autuados são oficiados para prestar informações acerca de possíveis infrações cometidas.

O órgão declarou, ainda, que o processo possui algumas esferas até uma decisão final, além de respeitar o prazo legal para apresentação de defesa dos envolvidos, por isso não é possível estimar uma data para a conclusão. Sobre a interdição da aeronave utilizada na manobra, a Anac revelou que ela teve sua interdição revogada no dia 22 de maio. Já a licença do piloto ficou suspensa somente até o dia 25 de maio.

A Agência declarou que ao final do processo, caso se configure irregularidades, a Anac aplicará sanções administrativas, que podem culminar em multas ao operador da aeronave e piloto e, em casos mais graves, a cassação de licenças e suspensão da aeronave.