Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Passou por leitura no início da semana, na Câmara de Vereadores de Rio do Sul, o Projeto de Lei de autoria da vereadora Sueli Teresinha de Oliveira (PSD), que trata de protocolos que podem passar a ser seguidos por enfermeiros do município. Entre os procedimentos possíveis estão a prescrição de exames e medicamentos.

De acordo com a vereadora, autora do PL, a prática autorizada pelo Conselho de Enfermagem e preconizada pelo Ministério da Saúde poderia desafogar as filas de espera, que aumentaram durante a pandemia. Ela destaca que dando cumprimento aos protocolos seria possível agilizar os processos durante a triagem. “O projeto fala do protocolo dos enfermeiros que já é autorizado pelo Conselho de Enfermagem, preconizado pelo Ministério da Saúde, que o enfermeiro pode estar fazendo outros procedimentos, além do que ele já faz  na Unidade de Saúde ou Policlínica, desde que se diga o protocolo. Dentro do protocolo há uma série de exames, como por exemplo, mamografia, exame de gravidez, entre outros medicamentos que estão no protocolo e que poderá ser seguido pelo enfermeiro. Ele poderá fazer a triagem, faz essa primeira ‘consulta’ durante a triagem e vê a necessidade de estar passando o paciente para o médico”, explica.

Ela ressalta ainda que para funcionar, as regras devem ser seguidas e o trabalho fiscalizado, mas que se usado de forma correta poderá resolver uma boa parte dos problemas com filas de espera por atendimento.

“Dentro desse protocolo tem todas as regras que precisam ser seguidas, tudo isso vai ser fiscalizado e levado em conta. O projeto tem o objetivo de fazer com que isso se torne lei na nossa cidade, para que a gente possa também ter uma diminuição nos atendimentos nas unidades de Saúde. Hoje a fila de espera é de 40 dias, até por conta da pandemia, por tudo o que estamos vivendo. Tem pacientes que procuram as unidades que seus problemas poderiam ser resolvidos pelo enfermeiro da unidade porque aí ele não precisaria ficar na fila esperando, seria resolvido o seu problema e aliviaria para outros que estão esperando uma vaga. Falamos com a secretária Roberta e o prefeito, que são favoráveis. Então passamos o projeto à Câmara para que seja avaliado”, completa.