Cidade
Foto: Divulgação

Cláudia Pletsch/DAV

Iniciada no final do ano passado, a construção da ponte de acesso Leste é um dos maiores investimentos em mobilidade na capital do Alto Vale. Com 190 metros de comprimento e 13 de largura, duas pistas para veículos, uma área para circulação de pedestres e outra para ciclistas, a Ponte Leste fará a ligação entre os bairros Bremer, Navegantes e a BR-470. Agora a obra que iniciou no final de 2020 está em fase de construção das vigas na parte interna do rio e a expectativa é que toda a estrutura seja concluída até o final do ano.

A obra no valor de mais de R$ 10 milhões primeiramente havia sido orçada em um projeto inicial no valor de cerca de R$ 12,5 milhões mas foi barateada através de licitação. O valor restante desse barateamento servirá para a pavimentação da Estrada Geral do Bairro Navegantes e a construção de um trevo de acesso. O valor foi financiado através do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

O prefeito de Rio do Sul, José Thomé, explica que os trabalhos estão adiantados, mas que não deve modificar o prazo de término por conta do inverno e das chuvas que ainda estão por vir, que podem prejudicar os trabalhos. “O prazo de entrega é para final desse ano ou início do ano que vem, esse é o prazo que está estabelecido. É uma obra muito grande e apesar de estar com os trabalhos adiantados hoje, daqui a pouco começa um período de muita chuva, então é melhor a gente não antecipar a redução de prazos”, avalia.

O objetivo da construção da Ponte Leste de acordo com o prefeito, é atender a um pedido dos empresários e moradores e otimizar o acesso ao município como uma alternativa para aliviar o tráfego pela Rua Governador Ivo Silveira. Ela também deve provocar a expansão da cidade para suas extremidades. “É uma obra no contexto de desenvolvimento da cidade num todo, não só no urbano, não só de tráfego, mas de desenvolvimento econômico. É toda uma nova rota de acesso ao município, mais de um quilômetro de via pavimentada até o acesso da ponte e vai permitir ter uma nova rota alternativa para a cidade tanto de saída quanto de entrada e isso é muito bom para o desenvolvimento à longo prazo. Uma obra aguardada há mais de 50 anos”, finaliza.