Cidade

Desde a manhã de ontem a ponte Viriato Alves Garcia, que liga o Centro de Rio do Sul ao bairro Canoas, um dos mais populosos da cidade, está fechada para o trânsito de veículos. Apenas pedestres podem circular normalmente pela ponte, que passa por reformas de revisão em sua estrutura, onde a equipe da diretoria de Obras do Município realizará a troca das tábuas de sustentação.

Segundo a Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), as obras devem durar aproximadamente sete dias, mas como no final de semana os trabalhos são interrompidos, o trânsito só deve ser retomado em 10 dias. Através da divulgação desta ação e contando com a colaboração da comunidade, que passa por ali diariamente para ir trabalhar ou estudar, espera-se que não haja problemas na interferência do tráfego.

O secretário de Infraestrutura de Rio do Sul, Fábio Alexandrini, comenta que esta manutenção é oriunda de um planejamento e do acompanhamento das condições das pontes da cidade, que é realizado pela secretaria. Segundo Alexandrini, pelo menos há cinco anos a Viriato Alves Garcia não recebia este cuidado, apresentando problemas decorrentes da ação do tempo e da natureza, já que a falta de sol no local dificulta a secagem da madeira após as chuvas, envelhecendo o material.

“Fizemos a primeira inspeção detalhada nela [ponte] no dia sete de fevereiro e monitoramos, até que no dia 14 de março nós determinamos que não haveria outra alternativa senão parar a ponte por um período e fazer as substituições emergenciais. Então, se observarmos, os maiores problemas estão na cabeceira no lado do Canoas [bairro], pois pega mais sombra no período da tarde, enquanto do outro lado fica mais seco, preservando a madeira”, explicou o secretário.

Devido às restrições orçamentárias, neste momento a obra é de caráter emergencial, mas o secretário afirma que existe um planejamento para que seja feita uma revitalização dentro de algum tempo, quando, com o projeto definido, irão buscar recursos específicos para sua aplicação. “Este é um compromisso assumido pelo governo do Thomé e do Paulo, bem como dos demais servidores do setor. Esta manutenção deve suportar mais dois ou três anos, mas já estamos analisando inclusive materiais alternativos para a sustentação. Ele já foi feito em concreto e não suportou, agora analisamos até linhas de aço, que não são mais tão pesadas”, disse.

Alexandrini ainda comenta que outras pontes da cidade estão sob vigia, para manter a segurança dos transeuntes e conservar a estrutura da melhor maneira, evitando maiores prejuízos. A primeira que ganhou esta atenção foi a ponte que liga o bairro Pamplona à Barra do Trombudo, também em caráter emergencial.

Sobre a sinalização do trânsito na região da ponte Viriato Alves Garcia, o diretor executivo de obras, Jaime Sborz, fala que “o local estará sinalizado com fitas e cones, para que a ponte seja recuperada com segurança”.

Airton Ramos