Cidade
Ciclone deixou estragos e destruiu casas e empresas em diversos bairros - Foto: Helena Marquardt/DAV

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Por causa de um erro no cadastro lançado pela Prefeitura de Rio do Sul para levantamento dos prejuízos deixados pelo ciclone e liberação do FGTS, uma moradora do Bairro Boa Vista teve o benefício negado pela Caixa Econômica Federal e diz que agora deve recorrer à justiça para receber o valor e pedir uma retratação por parte do Executivo.

A auxiliar de produção, Alessandra Patrício, conta que vive no bairro Boa Vista e teve a casa totalmente destelhada, no entanto quando foi fazer o cadastro SOS Ciclone disponível no site da Defesa Civil, não havia a opção de informar esse bairro, por isso assinalou a opção Eugenio Schneider que fica próximo a sua residência. “Quando foi divulgado o link em diversos veículos de comunicação eu fui lá e já fiz o meu cadastro, mas não constava o meu bairro, apenas o Eugenio Schneider, mas a gente confiou porque era o site oficial, só que depois acabaram negando o FGTS porque o bairro estava errado”, relata.

Ela comenta que como não tinha dinheiro para reformar o telhado fez uma manutenção paliativa e aguardava a liberação do FGTS para fazer o conserto definitivo, mas apenas quando foi conferir o cadastro, poucos dias antes da data anunciada para o pagamento, constatou que ele havia sido negado porque seu endereço não havia sido afetado. “Fui lá e fiz o cadastro de novo, com documentos, fotos e tudo que precisava. Aí olhei depois de seis dias novamente e dizia ainda que dava desencontro de bairros. Foi então que liguei para Defesa Civil e eles assumiram que ficou de dois a sete dias esse problema no site”, conta.

Ela questiona o fato da Prefeitura ter assumido o erro, mas não informar aos moradores através dos veículos de comunicação que eles precisavam refazer seu cadastro depois que o problema foi solucionado. “Como colocaram nas mídias que estava tudo pronto para fazer o cadastro porque não assumiram o erro e pediram para conferir ou refazer? Ainda me disseram que minha obrigação era duvidar até de sites oficiais e que não podiam fazer mais nada”, diz.

Depois desse contato ela ainda tentou resolver a situação junto a prefeitura e foi orientada a tentar uma solução diretamente na a Caixa Econômica Federal. Já no banco, ela foi informada que realmente não seria possível resolver a situação. “Lá me disseram que o erro foi do cadastro e que se eu quisesse teria a opção de fazer um empréstimo com o meu FGTS e ainda ter que pagar juros, o que me deixou bastante furiosa”, desabafa.
Agora ela afirma que já contatou uma advogada e vai tentar na justiça conseguir a liberação pois além de precisar do dinheiro, se revolta com o fato de que a Prefeitura não divulgou a oportunidade de correção. “É um dinheiro que eu precisava muito e estava contando. Nosso telhado está comprometido e estamos vivendo com medo dentro de casa. Também acho que a prefeitura tem que vir a público dar uma explicação”, finaliza.

Prefeitura assume erro, mas diz que moradores tiveram oportunidade correção

Por meio de nota, a prefeitura de Rio do Sul informou que por um erro no sistema de registro dos interessados em se cadastrarem para retirarem o FGTS, o bairro Boa Vista não estava na lista de opções durante um dos dias do levantamento. O Executivo declarou ainda que a alteração foi feita imediatamente após a identificação do erro, o que oportunizou o cadastramento dos moradores do Boa Vista normalmente.

A prefeitura de Rio do Sul se comprometeu a atuar junto a Caixa Econômica Federal para que os moradores que se cadastraram e tiveram problemas deste tipo não sejam prejudicadas e tenham direito ao resgate do FGTS normalmente, sem a necessidade de procedimentos judiciais.