Alto Vale
Foto: Jorge Matias/DAV

 

Jorge Matias

 

Vegetação prestes a invadir as calçadas, goteiras e infiltrações. Essa é a atual situação do antigo prédio da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Rio do Sul. Servidores relatam que após a desativação, oficializada no dia 30 de abril, o Governo do Estado deixou de fazer a manutenção do imóvel.

 

De acordo com a Portaria publicada no Diário Oficial da União, no dia 26 de abril, em razão da desativação da ADR, a estrutura passaria a ser ocupada pela Perícia Médica da Secretaria de Estado da Administração, pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) e pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine), da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação. No entanto, hoje o imóvel abriga apenas o Núcleo de Convênios, uma agência do Ministério do Trabalho e o Departamento de Infraestrutura (Deinfra). A agência do Sine e a Perícia Médica não ocupam o local como foi anunciado na época.

 

Mas apesar de abrigar algumas estruturas administrativas do Governo do Estado desde a desativação, uma servidora que preferiu não se identificar, conta que foram feitos pedidos oficiais para a manutenção do imóvel, mas eles nunca foram atendidos. “Estamos de mãos atadas, porque antes era encaminhado orçamento para efetuar esse tipo de serviço aqui, agora estamos literalmente abandonados”, afirma.

 

Além da parte estrutural, os servidores dizem estar encontrando dificuldades até mesmo na rotina de trabalho. Eles relatam que não há telefone nas mesas e o acúmulo de funções é algo frequente. “Estamos sem material para trabalhar e todo o trabalho efetuado aqui tem de ser encaminhado para Florianópolis, o que dificulta e atrasa o andamento dos convênios”, comenta a servidora.

 

Outra preocupação de quem trabalha no local é em relação a segurança, já que desde a desativação, com poucos funcionários utilizando o espaço, o imóvel já foi alvo de criminosos duas vezes. “Furtaram televisões e computadores. Não há sistema de segurança, monitoramento no prédio”, comenta.

 

O pátio que era usado como estacionamento dos servidores, atualmente acomoda veículos apreendidos pela Justiça. Nos fundos do terreno, há também entulhos, que de acordo com a servidora, pertencem a uma associação de catadores. “Em muitos casos, as pessoas chegam aqui com os documentos para realizar a retirada do veículo. Esse serviço não corresponde ao nosso departamento, mesmo assim, temos de fazer todo o processo”, declara.

 

Extinção das ADRs

 

O processo de desativação das 20 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) do Estado de Santa Catarina foi realizado no dia 30 de abril, de acordo com o decreto 3, de 19 de janeiro de 2019.

 

A portaria que estabeleceu a utilização do prédio também definiu que as garagens e vagas de estacionamento seriam destinadas aos veículos oficiais e as despesas correntes seriam pagas pelos órgãos que ocupariam o imóvel, o que na realidade, não acontece. O pátio está sendo usado apenas como depósito de carros apreendidos pela Justiça.

 

A reportagem do DAV entrou em contato com a Assessoria da Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade para comentar a situação, mas não obteve um posicionamento sobre o assunto.