Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O prefeito de Rio do Oeste, Humberto Pessatti, de 56 anos, que faleceu na manhã dessa terça-feira (15) em decorrência de complicações causadas pela Covid-19 será velado nesta quarta-feira (16) em cerimônia aberta a população na Igreja Matriz. O velório está permitido com caixão aberto após 21 dias do início dos sintomas da doença, como estabelece e uma nota técnica da Secretaria de Estado da Saúde e outros órgãos, já que não há mais risco de transmissão após esse período.

A cerimônia ocorre das 7h às 14h e pelas redes sociais a família de Betão informou que o corpo será velado obedecendo todos os cuidados de saúde como sempre prezou o prefeito. O uso de máscara é obrigatório, distanciamento de 1,5 metro, uso de álcool 70% e outras recomendações. A população poderá se despedir respeitando o cordão de isolamento. Já a permanência no local será restrita a família.

O político chegou a ficar internado no Hospital Regional de Rio do Sul, mas foi transferido para uma UTI no Hospital da Oase em Timbó onde permaneceu até falecer nesta terça-feira.

Em entrevista ao Jornal Diário do Alto Vale, enquanto estava internado no Hospital Regional , ele afirmou que não tinha nenhum problema de saúde, mas que a doença comprometeu especialmente a sua respiração. Na ocasião o político também fez um alerta para que a população procurasse se cuidar e seguir as orientações dos órgãos de saúde.

Na conversa por telefone o emedebista contou que começou a sentir os primeiros sintomas no domingo e que eles acabaram se agravando, ele teve que procurar atendimento médico e foi internado em Rio do Sul. “Fiz uma bateria de exames e estou aguardando o resultado. Primeiro tive problemas respiratórios, não conseguia mais nem andar 10 metros ou falar. Fiz o exame e o resultado foi positivo para covid”, conta.

O prefeito ressalta ainda que tinha uma boa saúde e nunca imaginou que fosse sentir sintomas tão graves. “Não tinha nenhum problema de saúde e realmente é uma doença muito séria. Não achei que se um dia pegasse teria sintomas tão graves. Foi uma dor no corpo horrível e a respiração ficou muito comprometida. Digo para as pessoas que cada um tem que se cuidar. Não importa se os outros não querem seguir, mas cada corpo reage de forma diferente e a maior prova sou eu. A doença não escolhe lugar, cor classe social nem nada. Qualquer um está sujeito”, alertou.

O município decretou luto oficial por três dias.