Alto Vale
Foto: Divulgação

Prefeitos do Alto Vale participaram nesta semana, de uma audiência intermediada pelo deputado estadual Milton Hobus, com o secretário de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler, em Florianópolis, para pedir a municipalização de trechos que hoje pertencem ao Estado. O prefeito de José Boiteux, de Taió e de Petrolândia, explicaram a necessidade de delegar a autonomia do trecho urbano para o Município e os benefícios que a medida trará para a população.

De acordo com o prefeito de José Boiteux, Jonas Pudewell, no município o trecho corresponde a aproximadamente 1,2 quilômetros, e com a municipalização, seria possível realizar a manutenção e melhoria da via, que segundo ele, hoje não acontecem no local. “O trecho seria desde a ponte que fica próxima à Igreja Evangélica, que passa por Caminho Caçador, até o Centro. Esta área pertence ao Estado e a gente não pode fazer nada, porque o Estado não deixa mas também não faz. Não tem acostamento e de vez enquanto tem acidente ali. Se for preciso instalar redutor de velocidade eles não instalam, se for fazer acostamento também não, mas não dão a autorização para que a gente faça”.

Jonas disse ainda, que este é um pedido que já foi encaminhado em 2017 e que a viagem serviu para reforçar e pedir uma posição do Estado quanto à solicitação. “Já temos encaminhado desde 2017 este pedido em Florianópolis. Tanto que tem uma Lei que foi feita na época, do deputado Milton Hobus, e a gente levou lá toda a documentação que era preciso e até agora eu não obtive resposta ainda”.

O prefeito finalizou dizendo que apesar de ter refeito o pedido, não sentiu um parecer positivo do Estado. “Eles disseram que vão avaliar, que tem coisas que não concordam, mas eu justifiquei que o nosso caso é fim de linha, não é rodovia que passa ali. Porque ele quis argumentar que tem muitos lugares que isso é feito e depois as prefeituras travam com muitas lombadas ou outra ação que prejudica o trânsito. Mas se não tem essa possibilidade de municipalizar, então que venham fazer. Porque a Casan precisa trocar canos de água, fazer melhorias, esgoto e não pode, porque primeiro tem que ter autorização do Deinfra”.

O prefeito de Taió, Almir Guski, pediu a municipalização de parte da rodovia estadual SC-114, que inicia próximo à sede do Corpo de Bombeiros Militar e segue até a ponte Hartwig Ern, que fica ao lado da ponte história Roberto Machado. “Somente com a municipalização é que nós vamos conseguir fazer as obras necessárias como instalar semáforo, redutor de velocidade e fazer calçadas para melhorar o trânsito e dar mais segurança para pedestres, ciclistas e motoristas”, disse o prefeito.

Segundo ele, o secretário ouviu as demandas de municipalização e as sugestões. “Nós não levamos só o problema, apresentamos as soluções que vão beneficiar tanto o Estado quanto os municípios, agora aguardamos a avaliação e o deferimento do pedido”.

Elisiane Maciel