Cidade
Foto: Divulgação

Helena Marquadt/DAV

Um esforço conjunto para garantir que vidas não sejam perdidas por falta de leitos de UTI. Com 100% de ocupação, assim como unidades de quase todo o estado, o Hospital Regional Alto Vale pode receber nos próximos dias equipamentos e a ajuda de profissionais que atuam em Unidades Básicas de Saúde do município e que estariam dispostos a trabalhar na linha de frente contra a covid. A cessão temporária de técnicos, enfermeiros e médicos será possível através de uma parceria entre a unidade, Prefeitura de Rio do Sul, Hospital Samária, Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Santa Catarina (Fehoesc) e Câmara de Vereadores. O anúncio foi feito após uma reunião nesta quinta-feira (4), mas para que se torne realidade ainda depende da aprovação de um projeto de lei que será votado nos próximos dias.

A intenção é que o Hospital Regional receba pelo menos 20 técnicos de enfermagem, cinco enfermeiros e 10 médicos que hoje atuam na Assistência Básica para abrir mais 10 leitos de UTI o quanto antes já que autoridades temem um colapso com maior demanda de pacientes com covid do que a unidade pode atender.

Na parceria a Fehoesc se comprometeu a atuar junto ao Governo do Estado para garantir os equipamentos e insumos necessários para a ampliação de leitos. Já o Hospital Samária deve absorver parte dos atendimentos de outras doenças que seriam do Hospital Regional. A Câmara de Vereadores por sua vez, acenou positivamente na aprovação do projeto de cessão e deve convocar uma sessão extraordinária para votar o PL o mais rápido possível.

O prefeito de Rio do Sul, José Thomé comenta que a intenção é se antecipar diante das previsões de piora no contágio e de maior necessidade de atendimento médico a pacientes com Covid. “O estado colapsou no atendimento em todas as regiões de SC e precisamos trabalhar de forma antecipada, então foi uma atitude em conjunto visando conseguir equipamentos através da Fusavi, com o Samária fazendo os atendimentos não covid que iriam para o regional e o município cedendo profissionais de saúde para compor a equipe que vai trabalhar no enfrentamento”, diz.

Questionado se os profissionais de saúde do município aceitariam trabalhar na UTI do Hospital Regional, Thomé explica que ainda não conversou com eles, apenas com os gestores da área, mas acredita ser um momento de necessidade onde todos devem contribuir. “Essa é a prioridade agora. Vivemos um momento extremamente crítico e precisamos unir forças. O município vai abrir mão na Atenção Básica. Vamos nuclear algumas Unidades Básicas de saúde, ou seja fechar temporariamente alguns postos, ainda não sabemos quantos, e deslocar o atendimento para o bairro mais próximo, em contrapartida nesse local vamos ampliar o horário de atendimento de seis para oito horas para que os pacientes sintam o mínimo possível”, explica.

O presidente da Fusavi, Osmar Peters ressaltou que hoje o hospital está com os 10 leitos de UTI Covid ocupados e a enfermaria também está quase lotada. “Então tivemos a ideia dessa parceria para que a gente pudesse atender mais pacientes. A primeira reunião foi hoje e uma próxima já está marcada para a segunda-feira. Queremos estar preparados para a piora da situação”, disse.

Ele comenta que cada órgão faria sua parte para evitar uma situação mais grave como tem acontecido no Oeste, em unidades especialmente de Xanxerê e Chapecó. “Estamos nos prevenindo para não chegar daqui a 30 a 40 dias e não saber o que fazer, com pessoas de joelho em busca de um leito e sem termos como atender, mas as pessoas também precisam fazer sua parte mantendo o isolamento. Não adianta termos lockdown e a população ficar fazendo churrasco. É preciso manter o distanciamento para diminuir o contágio”.

O Projeto de Lei que autoriza que os profissionais de saúde contratados pelo Município atuem no Hospital Regional está sendo elaborado e na segunda-feira (8) já deve ser lido na sessão da Câmara de Vereadores. O Legislativo também já se comprometeu a convocar uma sessão extraordinária para votação do PL para que a parceria seja colocada em prática o mais rápido possível.