Cidade
Foto: Alan Garcia/DAV

Helena Marquardt/DAV

O momento mais esperado de todos os tempos no Alto Vale finalmente chegou. Apesar de o número de doses ainda ser insuficiente para os grupos prioritários, na tarde desta terça-feira (19) os primeiros moradores da região receberam a vacina contra a covid. Eram profissionais da saúde e idosos como Ervino Ferrari, de 90 anos, que vive na instituição de longa permanência, Conferência de São Vicente de Paulo em Rio do Sul.

“Nem achei que seria o primeiro. Eu me cuidei muito esse tempo, usei máscara, mas eu graças a Deus agora estou livre dessa doença. Estou esperando receber a segunda dose daqui a 15 dias. Os meus amigos lá do asilo também estão esperando”, comemorou.

Rio do Sul recebeu inicialmente 655 doses e de acordo com o prefeito José Thomé, o início da vacinação marca uma nova fase no combate à pandemia. “É um momento histórico depois de tanto sofrimento e tantos desafios nesse período de quase um ano de luta. Iniciamos agora uma nova etapa que é a vacinação com todo o trabalho sendo feito pelos profissionais de saúde para a vacinação”, disse.

Ao todo a região recebeu 3.760 doses nesse primeiro momento para vacinar os grupos prioritários. Primeiro serão os profissionais da saúde, além dos idosos e quem trabalha em lares que fazem esse acolhimento. O critério de escolha do público-alvo foi determinado pelo Ministério da Saúde. Como as doses vieram em menor quantidade do que o necessário, houve a necessidade de divisão do público prioritário. A medida em que novas doses forem entregues, outras pessoas serão imunizadas.

Questionados sobre a resistência de algumas pessoas em relação a vacina, o médico Ricardo Claudino Ribeiro ressalta que a imunização é segura como apontaram os testes e reforçou que as vacinas foram importantes ao longo da história para vencer diversas doenças. “A gente entende o medo de vacinação, mas recebemos o protocolo com os testes que fizeram e realmente nos passaram uma eficácia boa e segurança. O pessoal que recebeu a vacina não teve nenhuma reação grave, a não ser dor no braço ou uma reação leve, mas reação grave não foi vista em nenhuma”, esclarece.

Agora os municípios aguardam a chegada de mais lotes para vacinar outros grupos e também para aplicar em 15 dias a segunda dose em quem já está sendo vacinado nessa etapa. Esse médico esclarece ainda que a imunização é segura e importante para controlar a doença no mundo, como já ocorreu em outras pandemias no passado.

Quem ainda não está nos grupos prioritários terá que aguardar, já que por enquanto não há data para vacinação de toda a população. Até lá, é preciso manter os mesmos cuidados para evitar a contaminação. “É uma etapa lenta por isso todos os cuidados ainda são necessários, como uso de máscara, álcool gel e distanciamento social. Temos uma longa jornada até a imunização da maioria da população”, finaliza.

Vacinação em Ituporanga

Em Ituporanga a vacinação de três pessoas marcou simbolicamente o início da imunização. Na cidade serão 172 profissionais de saúde que serão imunizados e os idosos do Abrigo Mão Amiga (AMA).

A primeira idosa a receber a vacina foi a técnica de enfermagem, Irina Tamanini Vicente que trabalha há 29 anos em uma sala de vacinação. “Estou muito alegre e até emocionada porque estava esperando tanto por isso e me emocionei de receber a primeira dose”, disse.