Cidade
Foto: Divulgação

Ao chegar nas lojas e supermercados desde o último mês muitos consumidores de todo o país se assustaram com o preço dos ovos de páscoa. E não foi diferente na capital do Alto Vale, por isso o Procon de Rio do Sul organiza para próxima semana uma pesquisa de preços que busca identificar se o valor cobrado pelos itens está dentro da média e também verificar a variação existente entre as lojas que comercializam os produtos. Mas enquanto muitas pessoas ainda preferem comprar no mercado, outras procuram alternativas mais baratas e quem sai ganhando é quem aproveita a data para vender os ovos caseiros, bem recheados e para todos os gostos.

Bruna da Silva Bondavalli é moradora de Rio do Sul e junto com a mãe fornece doces e salgados para festas. Nas datas comemorativas elas começam produção de itens específicos e na Páscoa quem faz sucesso é o ovo recheado. “Nossa fabricação é bem caseira, temos contato de fornecedores para a compra de produtos de ótima qualidade então podemos oferecer um produto final de excelente qualidade. Nesse ano já temos bastante encomenda. No ano passado também tivemos grande sucesso mesmo diante da pandemia, mas nesse ano até agora aos pedidos já ultrapassaram os de 2020 e ainda faltam duas semanas para a páscoa e tem bastante gente que deixa mais para cima da hora”, avalia.

A moradora de Rio do Sul conta ainda que muitos clientes que encomendam os ovos recheados relatam o aumento do preço nos mercados. “As pessoas nos relatam o aumento do preço no supermercado, até a gente sente quando vai ao supermercado e vê os preços, mas as pessoas agora estão optando pois nos ovos recheados vêm muito mais chocolate, muito mais recheio, mais brigadeiro. A gente sabe que não tem aquele brinquedinho que vem do mercado mas inclusive tem o ovo de guloseimas que a gente coloca vários docinhos diferentes especialmente para a criança”, relata.

Usar a criatividade na decoração e embalagem também é um diferencial, e Bruna diz que esse toque faz toda a diferença no momento da entrega. “Fizemos também um vidro decorado de páscoa com amendoim que é bem típico, o toque especial e a decoração do vidro fazem toda a diferença e o cliente pode até utilizar em outras datas. É um mimo, querendo ou não pode até ser utilizado como decoração”, avalia.

Procon de Rio do Sul vai avaliar preços

O diretor do Procon de Rio do Sul, Vanderlei Waldrich, explica que o órgão se organiza para iniciar na próxima semana uma pesquisa de preços nas principais lojas e supermercados do município com o objetivo de identificar se o valor praticado está dentro do estipulado. Ele ressalta ainda que essa avaliação deve ser feita também pelos consumidores. “O objetivo é criar no consumidor a ideia da pesquisa, a importância da pesquisa, pois a exemplo dos outros anos percebemos que pode ocorrer uma variação considerável entre um estabelecimento e outro e principalmente nós temos a obrigação, enquanto órgão, de fazer com que o consumidor avalie o preço do chocolate em forma de ovo pois nós temos essa cultura de comprar o chocolate em forma de ovo mas quando se faz a conversão o preço do quilo do chocolate usado chega a 300 ou 400 reais só por ser em formato de ovo”, avalia.

O alerta segundo Vanderlei é para que as famílias avaliem se vale a pena comprar por conta do formato. “Tem empresas oferecendo chocolate de páscoa para pagar em 10 ou 12 vezes, então é importante avaliar para que não se crie esse círculo vicioso de parcelamento e até que a pessoa entre em dívida. Quando você começa a reparar o cacau por exemplo é nosso, mas a embalagem é importada e a variação do dólar afeta o preço final do produto. Não é só o chocolate, mais o frete, o preço do combustível a embalagem. Enquanto você vai pagar quase 100 reais em um ovo de 150 gramas você compra a barra de um quilo por 25 reais”, justifica.

Procon SC faz levantamento de preços e constata diferença de até 95%

O Procon SC realizou o levantamento dos preços dos ovos e caixas de chocolates nas principais lojas da Grande Florianópolis. Entre os estabelecimentos pesquisados, a diferença de valores chegou a 95% nas caixas de chocolates. Já nos ovos de Páscoa, alcançou 88%, variando entre R$ 31,90 e R$ 51,90.

“Nossa intenção é auxiliar o consumidor, indicando em quais locais ele pode adquirir o produto com preço mais acessível. Quanto à diferença nos preços, os estabelecimentos estão legais, praticando a livre concorrência”, explicou o diretor do órgão, Tiago Silva.
A pesquisa foi realizada nas semanas que antecedem o feriado e nenhum estabelecimento foi notificado.