Alto Vale, Saúde

Está programada para amanhã (28) a vinda de quatro médicos cubanos para Santa Catarina. Imbuia, Ituporanga, Rio do Campo e Witmarsum estão entre as cidades do Alto Vale do Itajaí que foram contempladas pelo programa Mais Médicos, uma iniciativa do governo federal. Ao todo, são 40 profissionais que irão atuar em 35 municípios catarinenses, substituindo outros especialistas que já cumpriram o contrato de três anos de trabalho.

De acordo com o coordenador da Comissão Estadual do Programa Mais Médicos, Paulo Orsini, alguns dos municípios que receberão os profissionais estão há meses sem médicos. Segundo ele, isso acontece porque muitos profissionais brasileiros ainda têm resistência para se deslocarem a cidades menores. “É muito difícil arrumar um especialista brasileiro que queira ir para alguns lugares do interior, mas primeiro fica aberto um convite para brasileiros”, explica Orsini.

O coordenador conta que dessa vez houve um atraso na reposição dos médicos, por conta de um problema no contrato com Cuba. Por isso, a chegada dos profissionais estrangeiros sela o entendimento entre governo brasileiro e cubano, após um impasse que durou cerca de um mês. Os médicos – que são clínicos gerais e especialistas em medicina da família – devem chegar à capital do estado nesta quarta-feira. Atualmente, 259 profissionais estrangeiros integram o programa federal em 138 cidades catarinenses.

Witmarsum

O município de Witmarsum não chegou a sofrer com a falta de médicos, mas o secretário de saúde, Sérgio Luiz Padoin, ressalta a importância da vinda de mais um profissional para auxiliar nos atendimentos da cidade. “É um suporte, é importante porque você vai dar uma atenção maior para a população, vai conseguir fazer um melhor atendimento, tem várias vantagens”, afirma.

O secretário deve encontrar o profissional em Florianópolis na quarta-feira, e ele começará a atuar na unidade de saúde do município ainda nesta semana, na quinta-feira (29). Por conta dos problemas relacionados ao contrato do programa, a última médica cubana que atuou em Witmarsum foi embora no dia 31 de março, e só agora, depois de meses, o profissional será reposto. “Nós temos quatro médicos no município, então eu tenho dois médicos que dão suporte e tenho mais um do governo federal que já estava reposto também”, conta Padoin.

Sobre a dificuldade de encontrar especialistas brasileiros que queiram atuar em municípios pequenos, Padoin comenta que esse é um problema cultural. Para ele, médicos formados desejam trabalhar em grandes centros, em locais movimentados e próximos de praias e festas. “A primeira etapa desse programa foi aberta para médicos brasileiros e não foi preenchida. Então, tem essa dificuldade, é uma questão cultural. Enquanto o médico não aprender que tem espaço para ele no município pequeno para ele crescer, infelizmente acontece isso”, conclui o secretário.

Imbuia

Outro município contemplado com a vinda do profissional, Imbuia também não enfrentou dificuldades com a falta de médicos, mas a enfermeira da equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF), Prunelli Amancio, reconhece a importância de ter mais um especialista na cidade. Segundo ela, atualmente cinco médicos atuam nas unidades de saúde de Imbuia, e dois deles são estrangeiros. “Nós tínhamos duas estrangeiras, duas cubanas do Mais Médicos, e hoje nós estamos com uma. Uma saiu de férias e agora vai ser substituída”, revela.

Assim como acontece em outros locais, o município de Imbuia também registra resistência por parte de profissionais brasileiros, que muitas vezes não querem permanecer em cidades mais afastadas. “A maioria dos médicos brasileiros que vêm, eles vêm e ficam pouco tempo, até se organizarem financeiramente e depois eles saem”, conclui a enfermeira.

Santa Catarina possui 218 municípios cadastrados no programa Mais Médicos. São 579 vagas, sendo que 508 delas estão preenchidas. Destas 508, 259 são ocupadas por profissionais cubanos.

Carolina Ignaczuk