Alto Vale
Fotos: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O projeto Caminhos do Campo, desenvolvido em diversos municípios do Alto Vale e que envolve aproximadamente 50 famílias foi um dos selecionados pelo Ministério do Turismo, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e pela Universidade Federal Fluminense para o projeto Experiências do Brasil Rural, que contempla assessoria e capacitação dos participantes para apoiar e promover o turismo rural no país.

O objetivo geral do projeto é ampliar e diversificar a oferta turística brasileira, por meio da inserção de produtos e de serviços da agricultura familiar no mercado turístico, além de apoiar a formatação e o posicionamento de produtos e roteiros turísticos de experiências no meio rural. Para isso todos os órgãos envolvidos vão auxiliar os selecionados de diversas formas.
O Caminhos do Campo foi elaborado pela assessora de Turismo da Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi), Fabiana Dickmann, diretor do Departamento de Turismo de Presidente Getúlio, Amadeu Gonçalves e auxílio do diretor do Departamento de Turismo de Ibirama, Norberto Weinrich.

Fabiana Dickmann, comenta que eles concorreram com 52 propostas do Brasil e a seleção é um orgulho para o Alto Vale. “Sabemos que para o Caminhos do Campo receber essas capacitações, esse melhoramento para posicionamento de mercado pelo Ministério do Turismo, o da Agricultura e da Universidade Fluminense é mais um reconhecimento como foi o prêmio nacional que nós ganhamos há algum tempo atrás. Um projeto tão novo como esse, que já é uma realidade, ser selecionado é muito gratificante para mim que concebi ele. Estamos muito felizes e agora é aguardar os próximos passos que são a construção do plano de trabalho”, disse.

Rosangela Erahardt, produz queijos de leite de ovelha desde 2017 em Petrolândia e em 2019 conheceu o projeto Caminhos do Campo e decidiu participar. “É um projeto que só veio para somar pois valoriza os pequenos produtores rurais e incentiva a participação em cursos, o que agrega muito para as propriedades. Ele abriu um leque. Agora recebemos muita visitação não só do estado, mas de vários lugares do país e até de fora do Brasil”, disse.

Jairo Boing produz uvas em Vitor Meireles e também integra o Caminhos do Campo desde o final do ano passado. Ele conta que já percebeu a diferença principalmente no mês de janeiro quando a família faz o sistema colha e pague. “Hoje essa é nossa principal atividade turística com a venda da uva e também dos seus derivados como geleias, sucos e vinhos. Produtos totalmente diferenciados e feitos por nós”.

O produtor relata ainda que trabalha com turismo há vários anos, mas percebeu muitas vantagens em participar do projeto especialmente pelas capacitações e divulgação da propriedade. “Para nós é importante ter esse selo e dizer que a gente participa do Caminhos do Campo. Percebemos que nesse cenário de pandemia está voltando a valorização de quem trabalha com a agricultura, a procura por produtos diferenciados, o turismo de experiência que proporciona um resgate cultural e turístico”, finaliza.