Cidade
Divulgação

 

Um projeto que tramita na Câmara de Vereadores de Rio do Sul quer estabelecer eleições para os diretores de escolas municipais, como já ocorre nas unidades de educação estaduais. A medida proposta pelo vereador Mário Sérgio Stramosk (PL), tem como objetivo democratizar e profissionalizar a gestão das escolas.

 

O vereador esclarece que o projeto já vem sendo discutido há alguns meses no Legislativo e foi apresentado inclusive nas escolas para que os profissionais da educação também pudessem colaborar para o aprimoramento da proposta.

“Passamos em várias escolas levando o projeto e colhendo sugestões dos professores, do sindicato e também fizemos debates da Câmara sobre esse tema”, comentou.

 

Ele destaca que na sua opinião a proposta é muito importante porque o Plano Municipal de Educação, elaborado em 2015, estabelecia que o município teria dois anos para colocar em prática a democratização das eleições, o que até hoje não aconteceu.

“Segundo o plano em 2017 já teria que ter sido realizada a eleição e o que estamos querendo fazer é provocar o debate para que de fato isso seja concretizado”, completa.

 

Mário ressalta ainda que a eleição nas escolas municipais evitaria que as unidades fossem utilizadas como cabides eleitorais e garantiria que elas ganhassem uma gestão mais profissional.

“Precisamos desvincular a escola da questão política partidária e queremos que bons diretores possam continuar nos cargos mesmo com a troca de prefeito”.

 

O projeto de lei estabelece que as eleições ocorram sempre no primeiro ano do mandato de cada prefeito e que os diretores ficariam no cargo por quatro anos. Segundo a proposta teriam direito a voto professores e servidores públicos lotados na escola, membros do Conselho Escolar e Associação de Pais e Professores (APP), representantes legais dos alunos matriculados nos CEIS e de 1º ao 5º ano e ainda os integrantes do quadro próprio e servidores públicos em licença de saúde e licença prêmio.

 

O PL determina ainda que as escolas municipais com até 300 alunos elegerão apenas diretor, já as que tem 301 estudantes ou mais poderiam eleger um diretor e um diretor adjunto. Assim como ocorre na Rede Estadual, os candidatos teriam um período para fazer a defesa pública do Plano de Gestão Escolar perante a comunidade após a homologação e publicação da sua candidatura.

“Queremos que a comunidade seja responsável pela escolha do diretor e a qualquer problema que tiver com a administração desse diretor o Conselho Deliberativo da escola vai analisar o plano de gestão e se preciso até tirar o diretor e fazer uma nova eleição”, finaliza.

 

Agora projeto passa pelas comissões e deve ser votado no início de 2020.