Variedades

Depois de Donald Trump proibir a entrada de cidadãos de sete países do mundo islâmico nos Estados Unidos, cresce o número de atrações protagonizadas por muçulmanos em Hollywood. Segundo um levantamento do site americano TMZ, boa parte das propostas para seriados de televisão desta temporada (os chamados “pilotos”) contam com atores de origem islâmica no elenco — e a tendência promete se repetir no cinema.

Em parte, o aumento na quantidade de tramas que envolvem muçulmanos atende a um pedido das próprias emissoras de televisão, que pretendem valorizar a diversidade cultural do país nas atrações do “horário nobre”. Sue Obedi, diretora do Conselho Muçulmano de Relações Públicas em Hollywood, contou ao TMZ que os canais de entretenimento estão pressionando as produtoras e estúdios para priorizar muçulmanos no papel de muçulmanos.

A tendência coincide com as políticas “anti-terrorismo” adotadas pelo governo de Donald Trump, cujo lema da campanha presidencial foi fazer dos Estados Unidos uma terra para americanos — ou seja, sem imigrantes. A classe artística do país, no entanto, diversas vezes se posicionou contra os ideais do presidente, como Meryl Streep no Globo de Ouro.