Alto Vale
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Dados divulgados pela Gerência Regional de Saúde de Rio do Sul apontam que de todo o público que já deveria estar imunizado no Alto Vale, mais de 24 mil pessoas estão com doses da vacina contra a covid-19 em atraso. O maior número é em Rio do Sul com 5.759, Ibirama com 2.705 e Ituporanga com 1.928. Diante do índice, a orientação é que os municípios façam a buscativa nominal desses moradores.

Ao todo a região tinha aproximadamente 252 mil pessoas acima de 12 anos aptas a receber a vacina contra a covid e desse total 24.539 não receberam a imunização completa, quantidade considerada alta pelas autoridades de saúde. “É um número bem grande de pessoas que até o momento não procuraram as unidades de saúde para estarem recebendo a vacina. Considerando a população vacinável a nossa cobertura vacinal está com 90% da primeira dose e desses somente 80% retornaram para a segunda dose o que é preocupante”, revelou a responsável pela imunização na Gerência Regional de Saúde, Josiane Verdi Schaade.

Ela comenta que além da escolha pessoal de cada morador, essas faltas são um problema sério para a região e a validade das vacinas pode ser comprometida quando os pacientes que não respeitam a data da segunda dose. “A gente recebe essas vacinas e grande parte é da Pfizer que tem uma validade após o descongelamento de apenas 30 dias. Estamos tendo que ter um cuidado muito grande com o remanejamento para que a vacina não vença nos municípios. Isso tudo acontece porque aquelas pessoas que tinham a data correta para estarem retornando não compareceram e essa dose que estava esperando esse paciente acaba ficando na unidade de saúde correndo o risco de vencer. As vacinas foram muito aguardadas e não podemos jogar vacina fora”.

“A gente consegue mandar a listagem nominal de todas as pessoas que não compareceram para a segunda dose, mas o município precisa solicitar através de ofício por serem dados sensíveis do Estado. Nesta terça-feira muitos já solicitaram e orientamos mesmo que se faça essa busca de cada paciente que não retornou para a segunda dose”, acrescenta.

Procurada pela reportagem a Prefeitura de Rio do Sul informou em nota que a Secretaria de Saúde de Rio do Sul tem feito constante busca ativa dos pacientes com as doses em atraso e reforça o pedido à população sobre a importância de completar o ciclo de imunização, inclusive com a terceira dose caso o prazo já tenha ultrapassado os cinco meses, exceto para quem recebeu aplicação da Janssen.

No documento a Secretaria de Saúde de Rio do Sul afirmou ainda que o número de pessoas em atraso pode ser bem menor do que o informado, já que em constantes buscas ativas, em torno de 80% das pessoas que não estão no sistema com a segunda dose recebida, afirmam já terem feito a vacina. “Isso pode ocorrer por uma falha de sistema ou demora no carregamento das informações do município. Destaca-se ainda que em Rio do Sul, 81,72% do público-alvo da campanha está com a segunda aplicação já realizada ou dose única. Se contabilizado a população total, 68,66% está totalmente imunizada, número inclusive muito semelhante à média estadual, que é de 69,61%”, informou em nota.

A secretária de Saúde de Ibirama, disse que o município está em segundo lugar no número de faltosos, Izabel Petersen comenta que na cidade a unidade de saúde do Centro ficaram abertos todos os sábados até o início de novembro para possibilitar a imunização, mas muitas pessoas não quiseram tomar a segunda dose.

“Fizemos tudo que era possível, a buscativa, mas infelizmente a vacina não é obrigatória e muitos acabam não comparecendo. A população também tem que querer tomar”, ressalta.

A secretária de Saúde de Ituporanga, Aline de Abreu Postais, destacou que o número é razoável já que segundo ela muitas pessoas de outras cidades fizeram apenas a primeira dose na cidade. Ela afirmou também que a secretaria de Saúde tem buscado incentivar a vacinação ampliando o horário de funcionamento das salas de vacinas e deixando uma unidade aberta aos sábados para vacinar quem não pode ir durante a semana.

“Estamos estendendo o horário até às 19h e todos os sábados temos a sala aberta só para a imunização contra a covid, então o município está buscando várias alternativas, tem procurado fazer a conscientização via rádio e agentes comunitárias de saúde, mas não podemos obrigar. Conscientizar é o que podemos estar fazendo”, conclui a secretária.