Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

A falta de espaço para fazer os atendimentos dos pacientes que necessitam de hemodiálise, na Associação Renal Vida de Rio do Sul, é um problema que já se estende há muito tempo e está cada dia mais visível. Hoje já existem tratativas de cessão de uso do prédio que abriga hoje a Policlínica para a instituição e o Hospital Regional Alto Vale com a Administração Municipal e há perspectivas de mudanças.

A Associação que completa em setembro 30 anos de atuação no município, atende hoje mais de 160 pacientes, inclusive pacientes com covid-19 que necessitam de diálise. Um dos fundadores da Renal Vida em Rio do Sul, o médico Leontino A. Ribeiro Neto, conta que com toda a demanda, o espaço restrito acaba dificultando e que após uma reunião entre HRAV, Renal Vida, Secretaria Municipal de Saúde e Prefeitura, ficaram bastante esperançosos.

“A gente tem indício e acertos para cessão do espaço para nós e para o hospital. Isso é o que já estamos pedindo há anos pela falta de espaço que temos aqui, e agora temos ações mais objetivas. Nós nos reunimos na prefeitura com o prefeito José Thomé, o pessoal do Hospital Regional Alto Vale, Secretaria de Saúde e nessa reunião percebemos o interesse da prefeitura em ceder o espaço. Na próxima semana enviaremos um documento oficializando a solicitação. Nós esperamos que nos próximos meses a gente tenha algo definitivo. E depois poderemos começar a pensar em uma ampliação, porque isso demanda tempo em razão de planta e recursos. A comunidade vai ganhar muito com isso”, avalia.

Os atendimentos iniciaram em 1991, e em 2000 a clínica mudou para o espaço atual. Desde então a demanda dobrou e a capacidade foi aumentada com a criação de 13 novos pontos de tratamento gerou 78 novas vagas. Estas vagas ocuparam espaços destinados a outras atividades, sem aumento do espaço físico original. Hoje não há mais para onde expandir. A ampliação do espaço físico se tornou uma prioridade, já que a capacidade de atendimento está no limite.

Para a Associação é necessário ampliar no mesmo local porque, entre outros motivos, permite acesso rápido ao Pronto Socorro do Hospital Regional para atendimento às intercorrências, realizar internações e exames dos pacientes renais em hemodiálise. Além disso, com a ampliação, serão realizados somente dois turnos de atendimento. Hoje, devido ao pouco espaço os pacientes são divididos em três turnos de tratamento de 4 horas cada, iniciando às 6 horas da manhã e encerrando às 21 horas de segunda a sábado, o que causa grandes transtornos para pacientes e colaboradores.

A Associação iniciou ou atendimentos no Alto Vale, no dia 02 de setembro de 1991. Na época os trabalhos eram feitos em uma pequena sala no antigo Hospital Cruzeiro com nove pacientes. Desde então, 30 anos se passaram e a entidade que não possui fins lucrativos realiza tratamento de 22 pacientes em Diálise Peritoneal (diálise pela barriga) e 144 em Hemodiálise, com aproximadamente 1800 sessões de hemodiálise por mês e ao todo, a entidade já fez 225 transplantes em pacientes do Alto Vale, em 2021 já foram quatro.

Além disso, mais de 95% dos atendimentos são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e os valores repassados não são suficientes, por isso a Associação Renal Vida conta com a colaboração da sociedade para conseguir manter a qualidade no atendimento.