Cidade

A Associação Renal Vida de Rio do Sul recebeu na manhã de ontem (5) duas novas máquinas para hemodiálise. O equipamento, que é utilizado no tratamento de doenças renais, deve beneficiar pacientes de toda a região do Vale do Itajaí. A ação foi encabeçada pelos Lions Clubes de Blumenau e pelo Distrito LD-5, que buscaram US$ 100 mil em recursos com o Lions Clubs Internacional Foundation para a compra dos equipamentos. Ao todo, nove máquinas foram distribuídas entre os municípios de Rio do Sul, Blumenau, Itajaí e Timbó.

Segundo o vice-governador do Distrito LD-5, Valdir Reis, o projeto em prol da Renal Vida foi criado em 2016, com o intuito de atender toda a população do Vale do Itajaí. Apesar de ser uma iniciativa dos Lions Clubes de Blumenau, a ação também contou com o apoio das associações dos outros municípios que receberam os equipamentos. “Nós pedimos recurso para a Fundação Internacional, porque o Lions é uma entidade, e a Fundação é uma entidade que presta ajuda ao mundo. Foram US$ 100 mil do Lions Internacional, e mais a contrapartida de US$ 33 mil do Brasil”, explica Reis.

Atualmente, a Renal Vida de Rio do Sul possui mais de 30 equipamentos para hemodiálise. Cada máquina custa cerca de R$ 55 mil e tem uma vida útil de pelo menos 10 anos. Para o médico Leontino Ribeiro Neto, essa é uma realidade de poucas clínicas brasileiras. “Sem o apoio da comunidade nós não teríamos essa situação. Essas máquinas são 100% novas, são poucas clínicas no Brasil que têm um padrão de máquinas que nós temos. São 30 e poucas máquinas novas, é um patrimônio de 1 milhão e 500 mil reais”, afirma.

Já o presidente da Associação Renal Vida, Roberto Benvenutti, ressaltou a importância de proporcionar um tratamento adequado aos pacientes com problemas renais crônicos. Ele ainda diz que a doação das máquinas para hemodiálise demonstram o envolvimento da comunidade nesse assunto. “Nós temos que dar a eles uma qualidade de vida, para que eles possam voltar a suas famílias, e possam realmente ter uma vida digna […] quando a gente vê uma máquina dessas, é assim que a gente tem que pensar: a máquina vai proporcionar qualidade de vida para o paciente”, declara o presidente.

Benvenutti também conta que os equipamentos que foram doados são importados da Alemanha, e podem atender até oito pacientes por semana. Por conta da grande demanda de atendimentos, ele explica que é sempre necessário possuir máquinas reservas, já que muitas delas necessitam de manutenções constantes. “Apesar dessas máquinas serem supermodernas, nós sempre temos que ter mais uma reserva, porque mais pacientes estão entrando. Os pacientes vêm de todos os municípios do Alto Vale do Itajaí”, conta.

Por conta do momento que o país atravessa, o presidente acredita que investimentos na saúde não são possíveis sem a ajuda da comunidade. Ele também afirma que essas ações beneficentes são essenciais para manter instituições por todo o Brasil. “Nós não sabemos quem vai ficar doente, todos nós estamos sujeitos. Você tem que ser solidário por uma razão óbvia”, conclui.

Carolina Ignaczuk