Cidade
Foto: Cláudia Pletsch

Cláudia Pletsch/DAV

O retorno do transporte coletivo em Rio do Sul já não era somente um anseio, mas sim uma exigência da população, já que muitas pessoas utilizam as linhas de ônibus como locomoção diária e essencial para chegar a seus locais de trabalho. A retomada da circulação ocorreu na manhã desta terça-feira (7), mas a movimentação de passageiros observada no terminal foi abaixo do esperado.

Apesar do movimento tímido, alguns passageiros que aguardavam a chegada do transporte demonstraram sentimento de alívio pelo retorno e relataram que acreditam que a movimentação deve aumentar de forma gradual.

A passageira Otília Parma, conta que além dela, outras pessoas da família utilizam o transporte coletivo com frequência, e que o retorno foi muito aguardado. “Eu estava esperando muito esse retorno, eu ficava pensando e agora se não retornar o transporte vou me locomover com o que? Então foi muito bom para mim. Além disso, minha filha utiliza o transporte para ir para a empresa que ela trabalha pois o marido dela trabalha em outra cidade então ela precisa utilizar o ônibus para ir para o serviço”, explica.

Cátia Sasse, outra passageira que é moradora de Imbuia, aguardava o transporte para retornar a cidade, ela conta que a mãe que mora em Rio do Sul utiliza o ônibus com frequência, e estava precisando recorrer a meios de locomoção que se tornaram mais caros. “Minha mãe utiliza bastante o transporte coletivo, e agora estava bem ruim para ela se locomover pois ela tinha que pagar carro para fazer corridas e poder fazer as coisas, e isso acaba se tornando mais caro então o retorno é muito positivo”, avalia.

Uma das grandes preocupações quanto a retomada é o combate a contaminação pelo novo coronavirus, e para que o transporte continue a funcionar algumas medidas foram adotadas e várias regras devem ser respeitadas pelos usuários. Entre as exigências para o funcionamento, todos os ônibus precisarão ter uma limpeza especial e frequente em áreas como apoios de braço, maçanetas, pegadores, catracas e poltronas, além de desinfecção total do veículo e instalação de equipamentos que protegem motorista e o cobrador.

Os usuários dos ônibus também devem obedecer a algumas regras como a utilização de máscaras de proteção, e a proibição da utilização do transporte por pessoas com mais de 60 anos, por serem do grupo de risco.

A fiscalização do serviço será de competência da Vigilância Sanitária e Epidemiológica do município e da Guarda Municipal. O descumprimento de regras é passível de multa à empresa de transporte coletivo.