Cidade
Foto: Eduardo Pasqualini/ Fábrica de protótipos da RIO

Reportagem: Cláudia Pletsch/DAV

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) divulgou os finalistas do Prêmio Inovação Catarinense – Professor Caspar Erich Stemmer. A premiação tem como objetivo reconhecer e dar visibilidade à pessoas e instituições que promovem o conhecimento científico e tecnológico. Nesse ano, 32 personalidades, empresas e instituições disputam os primeiros lugares em 11 categorias e Rio do Sul está bem representada com dois finalistas.

Na categoria “Jovem Inovador” Daniel Verdi do Amarante que foi aluno do Instituto Federal Catarinense de Rio do Sul é um dos finalistas. O projeto do estudante é constituído por um dispositivo de armazenamento e um website voltado para a equoterapia. “Meu projeto é constituído por duas partes principais, que é um dispositivo e um website voltado para a equoterapia. Grande parte dos benefícios que as pessoas recebem com a equoterapia é proporcionado pelo movimento do cavalo enquanto as pessoas estão andando, e é justamente por esse movimento ser muito importante que vários pesquisadores começaram nos últimos anos a estudar sobre isso, mas não existe muitos métodos para obter os dados e os que existem geralmente são muito caros, então o que eu fiz no meu projeto foi desenvolver um dispositivo que pudesse ser fácil de utilizar e com baixo custo para que os pesquisadores pudessem manter esses dados dos movimentos tanto do cavalo quanto da pessoa e depois poder estudar e com esses dados melhorar ainda mais a equoterapia. O website foi também vinculado com esse dispositivo para que as pessoas possam colocar os dados que foram obtidos com o dispositivo no website e também colocar todas as informações junto, como as informações do cavalo e do praticante para que depois quem for analisar esses dados tenha todas as informações ali e possa fazer uma análise bem completa para poder realizar o tratamento”, explica.

Na categoria “Inovação em Serviço ou Processo” a finalista foi a empresa RIO. O diretor técnico da empresa, Felipe Goulart, explica que o projeto finalista foi a ‘Fábrica de Protótipos’, uma iniciativa interna que nasceu como startup que propõe uma solução inovadora na fabricação de produtos para o mercado de fundição utilizando da tecnologia de impressão 3D. “No mercado de fundição no qual a gente trabalha, o principal gargalo, principal tempo para você lançar um produto nesse mercado é o tempo de fabricação dos ferramentais de fundição. A solução inovadora que a gente buscou foi em vez de utilizar um processo convencional que seria fabricar as peças através de um processo de usinagem ou através de um processo de modelação que é altamente artesanal, demorado, com custo elevado e chances de retrabalho, de erros durante a execução, a gente foi buscar na inovação a manufatura aditiva que é a impressão 3D hoje já bem difundida, então a gente utiliza a impressão 3D para a fabricação dos materiais. O principal ganho que a gente tem nesse processo é uma redução de tempo na ordem de 50%, ou seja, para eu lançar um produto difundido ele economiza 50% no tempo de lançamento e tem uma redução de custos de mais de 40%. Um processo mais barato, mais assertivo e uma redução de tempo e de custo. Isso nasceu como uma iniciativa para solucionar um problema, colocar um produto mais rápido e barato no mercado que acabou se tornando um modelo de negócio”, explica.

A premiação para os três primeiros lugares é de R$ 15 mil, R$ 10 mil e 5 mil. A cerimônia será realizada totalmente on-line no dia 27 de abril, a partir das 14h. Quem quiser acompanhar, poderá assistir pelo YouTube da Fapesc ou pelo Facebook.
De acordo com a Fapesc, nessa edição a instituição recebeu número recorde de inscrições com 226 candidatos. No total foram 32 finalistas nas 11 categorias.