Cidade
Arquivo/DAV

 

Até a noite desta segunda-feira (3), o Mistério da Saúde ainda aguardava o resultado do exame que pode confirmar ou descartar a suspeita de um caso de coronavírus em um morador de Rio do Sul. Trata-se de um homem de 35 anos que ficou um mês na China, passando pelas cidades de Pequim e Xangai. Ele retornou ao Brasil no último dia 26 e procurou atendimento médico na sexta-feira (31), com mal-estar, dor no corpo e tosse. A coleta de amostras foi feita no mesmo momento em que o paciente deu entrada na unidade e o resultado ainda não foi divulgado.

 

Além de Rio do Sul, um caso suspeito em Brusque ainda aguarda o resultado do exame e outros dois, de um casal de São José, na Grande Florianópolis já foram descartados.

 

Segundo a secretária de Saúde de Rio do Sul, Sueli de Oliveira, os primeiros procedimentos com o paciente suspeito foram realizados na rede pública de saúde. Depois da coleta de sangue, o material foi levado para Florianópolis, no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-SC). Na sequência o material foi encaminhado para São Paulo, na Fundação Oswaldo Cruz, credenciada para identificar o vírus.

“O resultado do exame é repassado para a Secretaria de Saúde, para que possamos tomar as providências, em caso de ele ser positivo”, explica.

 

De acordo com Sueli, a identidade e outros dados do paciente haviam sido preservados. “Não queríamos alarmar a situação e ele mesmo quis ficar mais reservado. Por uma questão de ética, apenas a Diretoria de Vigilância Epidemiológica sabe dos dados”, afirma.

 

Hospitais

 

Na semana passada o Ministério da Saúde anunciou uma lista de unidades hospitalares que são referência em todo o país para o tratamento do coronavírus. Em Santa Catarina são dois: Hospital Nereu Ramos e Hospital Infantil Joana de Gusmão, para pacientes com menos de 15 anos, ambos em Florianópolis.

 

Segundo o governo federal, os locais foram escolhidos como medida preventiva pelos gestores de saúde locais por terem “ampla capacidade de atendimento com profissionais especializados para situações de risco à saúde pública”.

 

Sintomas

 

São suspeitos do novo coronavírus, pacientes que apresentem febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório, e tenham viajado para a China nos últimos 14 dias. Além disso, também podem ser considerados casos suspeitos as pessoas com histórico de contato próximo com alguém que esteja com suspeita da doença. Os sintomas são parecidos com o da gripe.

 

Nesses casos suspeitos, o planejamento do Ministério da Saúde que foi repassado para toda a rede no país envolve cuidados por parte dos profissionais de saúde, como o uso de máscara, e o isolamento do paciente na unidade de saúde. Depois da coleta, os primeiros exames são feitos no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-SC) para verificar outras doenças respiratórias como Influenza.

 

Luana Abreu