Estado
Foto: Divulgação

O governador Carlos Moisés reforçou em reunião com o colegiado estadual nesta semana que Santa Catarina pretende priorizar a vacinação dos profissionais da Educação dentro do próximo grupo prioritário. De acordo com o Censo Escolar (Inep), a estimativa é que 195 mil professores e demais profissionais das instituições de ensino Básico e Superior poderão ser imunizados.
O chefe do Executivo estadual afirmou que a iniciativa é um reconhecimento ao esforço dos professores para manter o ensino e o ano letivo em dia, mesmo durante a pandemia. “Nós entendemos a necessidade e a importância da inclusão dos educadores no programa de imunização para que tenhamos ainda mais segurança. Nossos professores estão em sala de aula desde o dia 18 de fevereiro, diferente até de outros estados”, frisou Carlos Moisés.

O secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, afirma que a inclusão dos profissionais da área entre os grupos prioritários de vacinação é importante para dar continuidade ao atendimento presencial dos estudantes, que não foi interrompido durante todo o ano letivo de 2021 e segue protocolos rígidos de segurança e monitoramento.

Vampiro também explicou sobre os critérios utilizados para elaboração do Plano de Vacinação, com preferência aos profissionais que atuam com crianças que têm maior dificuldade de seguir os regramentos sanitários, principalmente o uso de máscaras e o distanciamento social. Informou ainda que o cadastro dos profissionais foi elaborado em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), a Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e o Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina (Sinepe).

“A ação é muito importante, é fundamental. Desde o dia 18 de fevereiro estamos em aulas presenciais, somos precursores no país. Por isso os professores e os educadores merecem esse nosso respeito e a nossa responsabilidade em priorizá-los”, destacou o Vampiro.

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, salientou que Santa Catarina tem acompanhado o Plano Nacional de Imunização, que tem quatro fases. “Dentro dessas fases está a vacinação dos profissionais da área da educação e nada mais justo que para um estado que já iniciou educação presencial desde fevereiro que a gente atenda a esta demanda. A SES, por determinação do governador e em conversas com a SED, definiu incluir a categoria nos grupos prioritários e conforme calendários técnicos.”

Planejamento

Para imunização dos profissionais da Educação Infantil, serão necessárias cerca de 35 mil doses, na soma entre os que atuam em creches e na pré-escola (crianças de 4 a 6 anos). Para os momentos em que a quantidade de doses disponíveis for menor que a necessária, a SED prevê a possibilidade de subdivisão dos grupos por idade, o que permite o início rápido e a continuidade da aplicação das vacinas.

A definição da data de início da imunização depende do número de vacinas que devem chegar a Santa Catarina nos próximos dias, de acordo com o Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro.

“A data é de acordo com a disponibilidade. Nós temos um problema hoje no mundo inteiro em relação ao quantitativo de doses e iremos à Brasília discutir isso com o Ministério da Saúde, para garantir doses para todas as fases prioritárias, incluindo a Educação do Estado de Santa Catarina.”

Critérios do Plano de Vacinação

No primeiro grupo devem estar os profissionais que atuam no atendimento presencial da Educação Infantil (professores e auxiliares); Educação Especial; Equipe técnica, administrativa e pedagógica (gestão, limpeza, alimentação, orientadores de convivência); Ensino Fundamental (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras); Ensino Médio (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras) e Ensino Superior.

No segundo grupo estarão os profissionais que atuam em Atividade Remota (a ordem seguirá as etapas de ensino da vacinação do 1º grupo); profissionais que são do grupo de risco para a Covid e profissionais que atuam em atividade remota, EAD ou similares.

Cadastramento dos profissionais

Após apresentar a proposta para o Plano de Vacinação dos profissionais de Educação de Santa Catarina, a SED elaborou um sistema de cadastro junto às secretarias municipais para identificar a quantidade de doses necessárias para imunização de todo o grupo.

O prazo para a realização dos cadastros terminou na terça-feira, 11, e até o fim de quarta, teriam sido organizados de forma segmentada de acordo com os seguintes critérios: totais gerais e por municípios, atuação presencial/remota; área de atuação por ordem de vulnerabilidade conforme o desenho do Plano de Vacinação; Idade; Quantos dos profissionais da Educação já tomaram a vacina ou fazem parte do grupo de risco, ou seja, que possui comorbidades.